Esta é uma versão desatualizada publicada em 2022-07-29. Leia a versão mais recente.

HÁBITOS DE VIDA DE ESCOLARES DA REDE PÚBLICA E PRIVADA DE JOAÍMA, MINAS GERAIS, E QUE PODEM SER FATORES DE RISCO PARA O DESENVOLVIMENTO DA OBESIDADE

Autores

  • Carlos Eduardo Martins Rodrigues Universidade Estadual de Montes Claros
  • Ronilson Ferreira de Freitas

Palavras-chave:

Obesidade, Educação Física, Hábitos de Vida

Resumo

O sedentarismo infantil vem aumentando no Brasil devido ao mau uso das tecnologias, e com o aumento da violência nas ruas muitos pais não deixam seus filhos saírem para brincar. Avaliar o uso das tecnologias na vida de crianças do Ensino Fundamental I Anos Iniciais da rede pública Estadual de ensino. Foi realizada uma pesquisa transversal descritiva para um levantamento de dados quantitativo em caráter comprobatório sobre o sedentarismo infantil a amostra foi constituída por 50 crianças de 6 e 11 anos, de ambos os sexos do ensino fundamental I anos iniciais do 1º ao 5º de 2 instituições da rede pública estadual de ensino da cidade de Monte Azul – MG. Ao abordar o tema sedentarismo infantil provocado pelo uso excessivo da tecnologia percebeu – se que 54% dos alunos nunca deixam as tarefas para depois pra ficar usando as tecnologias; 56% dos alunos nunca preferem a emoção das tecnologias; 54% dos alunos responderam que às vezes as pessoas reclamam do tempo que eles passam online; as notas escolares de 72% dos alunos nunca foram afetadas por causa do uso da tecnologia; 60% dos alunos nunca sentem mal – humorado, deprimido ou nervoso quando estão offline. Levando em consideração os resultadosbtidos sobre o uso excessivo da tecnologia e o quanto a tecnologia nos ajudou a evoluir, foi constatado que maioria dos alunos pesquisado não ficam muito tempo ligados a tecnologia e preferem o prazer de sair com outras pessoas e praticar atividades físicas, pois estão cientes que usar descontroladamente as tecnologias existentes podem trazer alguns danos à saúde física e mental.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ABRANTES, M.M., LAMOUNIER, J. A., COLOSIMO, E. A. Prevalência de sobrepeso e obesidade em crianças e adolescentes nas regiões nordeste e sudeste do Brasil. J. Pediatr., Rio de Janeiro, v. 78, p. 335-340, 2002.

ALVES, J. G. B.; MONTENEGRO, F. M. U.; OLIVEIRA, F. A.; ALVES, R. V. Prática de esportes durante a adolescência e atividade física de lazer na vida adulta. Revista Brasileira de Medicina do Esporte, Niterói, v.11, n.5, p.291-4, 2005. http://dx.doi.org/10.1590/S1517-86922005000500009 Acesso em:12-05-2021

BALABAN, G.; SILVA, A. G. P. Efeito protetor do aleitamento materno contra a obesidade infantil. Jornal de Pediatria, Rio de Janeiro, v.80, n.1, p.7-16, 2004. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/jped/v80n1/v80n1a04.pdf Acesso em: 12-05-21

BARBOSA, V. L. P. Prevenção da obesidade na infância e na adolescência: exercício, nutrição e psicologia. Barueri: Manole, 2004.

BOAS, Ângela Beatriz Barbosa Villas; MACHADO, Lucio Mauro Braga. Como a Educação Física e Exercício Físico podem auxiliar no combate contra a obesidade em crianças e jovens. 23f. (Monografia). Trabalhos de Conclusão de Curso-Faculdade Sant'ana, Ponta Grossa, Paraná, 2016.

BORBA, P.C. S. A importância da atividade física lúdica no tratamento de obesidade infantil. Universidade Gama Filho, Rio de Janeiro, 2006.

BOUCHARD, C. Atividade física e obesidade. Barueri: Manole, 2003.

SANTOS, A. L.; CARVALHO, A. L.; GARCIA JÚNIOR, J. R. Obesidade infantil e uma proposta de Educação Física preventiva. Motriz. UNESP, p. 203-213, 2007. Disponível em: https://www.researchgate.net/profile/Jair-Garcia. Acesso em: 10 maio 2021.

GASPAR, D.; KOGUT, M. C. Obesidade como fator de exclusão e motivação nas aulas de educação física. 2011. Disponível em: https://www.researchgate.net/profile/Maria-Kogut Acesso em: 10-05-2021

MATSUDO, S.M.; MATSUDO, V.K.R. (2007), “Atividade física e obesidade: prevenção e tratamento”. São Paulo: Atheneu

MELLO, E. D.; LUFT, V.; MEYER, F. Obesidade Infantil: como podemos ser eficazes? Jornal de Pediatria, Rio de Janeiro, v.80, n.3, p.432-3, 2004. http://dx.doi.org/10.1590/S0021-75572004000400004 Acesso em: 12-05-2021

NELSON MC, Gordon-Larsen P, Song Y, Popkin BM. Associations with Adolescent Overweight and Activity Built and Social Environments. Am J Prev Med. 2006; 31: 109-17.

PAZIN, J.; FRAINER, D. E. S.; MOREIRA, D. Crianças obesas têm atraso no desenvolvimento motor. Rev Digital, v. 11, n. 101, p. 1-10, 2006.

VASQUES, F.; MARTINS, F. C.; AZEVEDO, A. P. Aspectos psiquiátricos do tratamento da obesidade. Revista de psiquiatria clínica. Rev. Psiq. Clin. 31 (4); 195-198, 2004 São Paulo. Disponível em: encurtador.com.br/dkmwC. Acesso em: 02 jul. 2022.

Publicado

2022-07-29

Versões

Como Citar

MARTINS RODRIGUES, C. E.; FERREIRA DE FREITAS, R. . HÁBITOS DE VIDA DE ESCOLARES DA REDE PÚBLICA E PRIVADA DE JOAÍMA, MINAS GERAIS, E QUE PODEM SER FATORES DE RISCO PARA O DESENVOLVIMENTO DA OBESIDADE. RENEF, [S. l.], v. 5, n. 6, p. 25–35, 2022. Disponível em: https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/renef/article/view/5246. Acesso em: 1 dez. 2022.