DESENVOLVIMENTO DA POLÍTICA HABITACIONAL BRASILEIRA E A CRIAÇÃO DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA - PMCMV

Autores

  • RAIMARA GONÇALVES PEREIRA
  • ANETE MARÍLIA PEREIRA
  • SAMIRA DE ALKIMIM BASTOS MIRANDA

Resumo

 

A criação do Programa Minha Casa Minha Vida manifestou-se enquanto um marco no que tange a expansão territorial, considerando seu aspecto econômico e o fim social com que foi difundido. O presente estudo visa compreender o percurso da Política habitacional no Brasil, tendo por objeto os meandros que engendram a criação do Programa em questão. a pesquisa bibliográfica exploratória, abrangendo a leitura, análise e interpretação de livros, periódicos e outros documentos. Observou-se que os padrões difundidos pela globalização e pela lógica da produtividade econômica marcam o desenvolvimento urbano, em que as rápidas transformações da sociedade, do território e da cidade exigem novas infraestruturas físicas, econômicas, sociais e institucionais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AMARAL, Francisco Otaviano Merli do. Especulação imobiliária e segregação social em Palmas do Tocantins: uma análise a partir dos programas habitacionais no período de 2000 a 2008. Brasília, 2009. 133p. Dissertação (mestrado) – Universidade de Brasília. Faculdade de Arquitetura e Urbanismo. Programa de Pós-graduação em Arquitetura e Urbanismo, 2009. Disponível em:http://bdtd.bce.unb.br/tedesimplificado/tde_busca/arquivo.php?codArquivo=5434
Acesso em 07 de Julho de 2017.

ANDRADE, Luis Aureliano G. de. Habitação e poder – da Fundação da Casa Popular ao Banco Nacional de Habitação. Rio de Janeiro: Zahar Editores. 2011.

ANDRADE, Gabriel Vieira Marx. Política Habitacional Brasileira: Críticas ao Programa Minha Casa Minha Vida. Dissertação (Mestrado) – Escola Politécnica. Rio de Janeiro: UFRJ, 2012.

BECKER, Bertha, K; EGLER, A. G. Cláudio. Brasil: uma nova potência regional na Economia-mundo. São Paulo: Bertrand Brasil, 1992.

BONDUKI, Nabil. Origens da habitação social no Brasil: a produção rentista de habitação e o autoritarismo da ordem sanitária. São Paulo: Editora Estação Liberdade, 2002.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil [recurso eletrônico]. Brasília : Supremo Tribunal Federal, Secretaria de Documentação, 2017.

BURZTYN, Marcel. O Poder dos donos. Petrópolis: Vozes, 1987.

DEL RIO, Vicente. Introdução ao Desenho Urbano no Processo de Planejamento. São Paulo: Editora Pini, 1990.

HAESBAERT, Rogério; LIMONAD, Ester. O território em tempos de Globalização. etc..., espaço, tempo e crítica, Rio de Janeiro, v. 1, n. 2, p. 39-52, ago. 2007.

LIMA, Ana Carolina da Cruz; SIMÕES, Rodrigo Ferreira. Teorias do desenvolvimento regional e suas implicações de política econômica no pós-guerra: O caso do Brasil. Disponível em: http://www.ceap.br/material/MAT19042012200458.pdf. Acesso em 31 de Julho de 2017.

MARICATO, Ermínia. Habitação e cidade. São Paulo: Atual, 1997.

MARICATO, Ermínia. As ideias fora do lugar e o lugar fora das ideias. In: ARANTES, O. et al. A cidade do pensamento único: desmanchando consensos. Petrópolis: Vozes, 2000.

MARICATO, Ermínia. Brasil, cidades: alternativas para a crise urbana. 7 ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2013.

MARICATO, Ermínia. Para entender a crise urbana. 1 ed. São Paulo: Expressão Popular, 2015.

NETO, Agripino Sousa Coelho.As repercussões espaciais das políticas de irrigação no Vale do São Francisco: uma análise do Perímetro Irrigado Formoso no município de Bom Jesus da Lapa (BA). 196 f. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2004.

NETO, Agripino Sousa Coelho. Da região ao território: pensando a territorialidade no semi-árido baiano. In: VIII Encontro Nacional da ANPEGE, 2009, Curitiba. Anais do VIII Encontro Nacional da ANPEGE. Curitiba : ANPEGE/UFPR, 2009. v. 1.

OLIVEIRA, Tarcísio Dorn de; BENADUCE, Gilda Maria Cabral; EDLER, Marco Antonio Ribeiro. Reflexões Sobre a Infra-Estrutura e a Influência desta na Qualidade de Vida da População Urbana de Tupanciretã/RS. 2011. Disponível em: https://www.unicruz.edu.br/seminario/artigos/sociais/reflex%c3%95es%20sobre%20a%20infraestrutura%20e%20a%20influ%c3%8ancia%20destas%20na%20qualidade%20de%20vida%20da%20popula%c3%87%c3%83o%20urbana%20.pdf. Acesso em 29 de Julho de 2017.

OTERO, Ruben;SILVA, Luis Octavio de Faria e. Habitação e Cidade. 5 ed. São Paulo: Editora da cidade, 2014.

PERROUX,François.A Economia do século XX.Porto:Herder,1967.

ROLNIK, Raquel. Acesso ao solo urbano: limites e possibilidades. In: BRASIL. Ministério das Cidades/Universidade Federal de Santa Catarina. Acesso à terra urbanizada: implementação de planos diretores e regularização fundiária plena/PINHEIRO, O. M. (et al.). Florianópolis – UFSC; Brasília: Ministério das Cidades 2008.

RONILK, Raquel. O que é cidade. 4 ed. São Paulo: Brasiliense, 2012.

SANTOS, Milton Almeida dos. A urbanização brasileira. 5ª ed. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2013.

SANTOS, Milton Almeida dos. O espaço do cidadão. 5 ed. São Paulo: Studio Nobel, 2000.

VILAÇA, Flávio. Uma contribuição para a história do planejamento urbano no Brasil. In: DÉAK, C./SCHIEFFER, S.R. O processo de urbanização no Brasil. São Paulo, SP: Edusp/Fupam, 1999.

Downloads

Publicado

2020-02-17

Como Citar

GONÇALVES PEREIRA, R., MARÍLIA PEREIRA, A. ., & DE ALKIMIM BASTOS MIRANDA, S. (2020). DESENVOLVIMENTO DA POLÍTICA HABITACIONAL BRASILEIRA E A CRIAÇÃO DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA - PMCMV. Revista Serviço Social Em Perspectiva, 2(Especial), 259-272. Recuperado de https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/sesoperspectiva/article/view/983

Edição

Seção

Comunicação Oral - Estado e Políticas Sociais