GÊNERO, PARENTALIDADE E CONTROLE REPRODUTIVO NO BRASIL

Autores

  • Romilda Sergia de Oliveira Unimontes

Palavras-chave:

Gênero, Parentalidade, Reprodução assistida

Resumo

O processo de reprodução assistida, a partir do avanço de novas tecnologias, possibilitou o debate sobreas transformações nas diversas formas de concepção de família e parentabilidade. Questões sobre gênero e relações de poder são pautadas para compreender essas transformações, bem como, possibilitam analisar a reprodução a partir da possilibilidade da construção de uma familia e parentesco, que diferente do modelo tradicional heteronormativo. Assim, o que se observa na prática que reproduçaõ assistida, no Brasil, acaba gerando uma série de obstáculos dificultando que casais homoafetivos e mullheres trans sejam beneficiados com a tecnica de reprodução.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BUTLER, Judith. El gênero en disputa. Barcelona: Paidós, 2007. p.46.

BUTLER, Judith. O parentesco é sempre tido como heterossexual?. Cadernos Pagu, Campinas, SP, n. 21, p. 219–260, 2016. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8644619. Acesso em: 8 fev. 2022.

CFM – Conselho Federal de Medicina. RESOLUÇÃO Nº 2.168, DE 21 DE SETEMBRO DE 2017. Disponível em: https://www.in.gov.br/materia/-/asset_publisher/Kujrw0TZC2Mb/content/id/19405123/do1-2017-11-10-resolucao-n-2-168-de-21-de-setembro-de-2017-19405026. Acesso em 17 de Fev. de 2022.

CFM – Conselh Federal de Medicina. RESOLUÇÃO N° 2.294, DE 27 DE MAIO DE 2021. Disponível em: https://in.gov.br/en/web/dou/-/resolucao-cfm-n-2.294-de-27-de-maio-de-2021-325671317. Acesso em 18 de Fev. de 2022.

Foucault, Michel, "Direito de morte e poder sobre a vida". Em História da sexualidade, vol. I, A vontade de saber. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1988,p. 125 - 149.

______________, “Aula de 17 de março”, Em defesa da sociedade. Curso no Collège de France (1975-1976). São Paulo: Martins Fontes, 1999, p. 285 –315.

HARAWAY, Donna J., “A Cyborg manifesto: science, technology, and socialist-feminism in the late twentieth century” In: Simians, cyborgs, and women: the reinvention of nature, New York, Routledge, 1991 (Trad. Bras. Tomaz Tadeu. In: HARAWAY, Donna; KUNZRU, Hari & TADEU, Tomaz, Antropologia do ciborgue: As vertigens do pós-humano, Belo Horizonte, Autêntica, 2009, 2a ed.)

MASCARENHAS, Igorde Lucena.; COSTA, Ana Paula Correia de Albuquerque da; MATOS, Ana CarlaHarmatiuk. Direito médico à objeção de consciência e a recusa em realizar procedimentos de reprodução assistida em casais homossexuais: a discriminação travestida de direito. civilistica.com, v. 10, n. 2, p. 1-24, 19 set. 2021.

OLIVEIRA, RomildaSergiade; TEODORO, Luiz Claudio de Almeida (2019). Análise da PEC 181: controle do corpo feminino e o direito reprodutivo. CadernoEspaçoFeminino, 31(2). https://doi.org/10.14393/CEF-v31n2-2018-1

Pérez Navarro, Pablo, ¿Es la reproducción siempre ya heterosexual?, ENCRUCIJADAS. Revista Crítica de CienciasSociales, v.17, 2019, r. 1702

SCOTT, Joan Wallach. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação & Realidade. Porto Alegre, vol. 20, nº 2, jul./dez. 1995, pp. 71-99.

Trujillo, Gracia. Mi cuerpo es mío: parentalidades y reproducción no heterosexuales. VientoSur, n. 146, Jun. de 2016, p. 61–68.

Downloads

Publicado

2022-08-08

Como Citar

Oliveira, R. S. de . (2022). GÊNERO, PARENTALIDADE E CONTROLE REPRODUTIVO NO BRASIL. Revista Serviço Social Em Perspectiva, 6(Especial), 640–652. Recuperado de https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/sesoperspectiva/article/view/5652

Edição

Seção

Mesa Coordenada Temática - Gênero, Raça e Classe: Convergências na Produção e Reprodução das Desigualdades