TRANSFORMAÇÕES NO MUNDO DO TRABALHO E SERVIÇO SOCIAL

UM ESTUDO SOBRE O SOFRIMENTO E ADOECIMENTO PROFISSIONAL NO SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL (SUAS)

Autores

  • Victor Costa de Souza UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO
  • Janete Luzia Leite UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO

DOI:

https://doi.org/10.46551/rssp.202122

Palavras-chave:

Transformações no mundo do trabalho., Serviço Social., Espaços sócio-ocupacionais dos assistentes sociais, Sistema Único de Assistência Social., Sofrimento e adoecimento no trabalho.

Resumo

Este texto objetiva analisar os impactos da reestruturação produtiva nos espaços sócio-ocupacionais reestruturados dos assistentes sociais, buscando identificar os reflexos na saúde desses trabalhadores. Para tanto, utilizamos o Sistema Único de Assistência Social como exemplo. O ponto de partida é a compreensão das transformações no mundo do trabalho em curso desde a década de 1970 no plano internacional. No Brasil, as alterações nas formas de gestão e regulação do trabalho se mesclam às particularidades históricas do país, economicamente subordinado aos centros econômicos. A partir da corrosão do trabalho formal e regulamentado, ampliam-se as manifestações de sofrimento e adoecimento laboral. Parte-se do pressuposto de que os assistentes sociais atuam nessas refrações da “questão social” e, ao mesmo tempo, as experienciam na condição de assalariamento. Metodologicamente, revisamos a bibliografia de autores vinculados a teoria social de Marx que tratam sobre a reestruturação produtiva e as suas consequências. No que concerne ao debate sobre o Serviço Social, utilizamos como marco teórico as contribuições de Marilda Iamamoto, José Paulo Netto, Ana Elizabete Mota e Raquel Raichelis. A fim de contemplar a discussão sobre o SUAS como espaço sócio-ocupacional, recorremos a textos e pesquisas acerca da política de Assistência Social e as demandas postas aos assistentes sociais. Para refletir sobre as situações de sofrimento e adoecimento laboral utilizamos resultados de pesquisas anteriores. Verificou-se que a retração e desregulamentação do trabalho impactam na relativa autonomia profissional dos assistentes sociais, gerando conflitos éticos e sofrimento mental diante da impotência de exercer uma prática profissional digna.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Victor Costa de Souza, UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO

Assistente Social. Graduado pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Integrante do Núcleo de Pesquisa e Estudos sobre Políticas Públicas, “Questão Social” e Serviço Social (NUPEQUESS/UFRJ/CNPq). Bolsista PIBIC/FAPERJ. e-mail: victorxcosta@gmail.com.

Janete Luzia Leite, UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO

Professora Titular da Escola de Serviço Social da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Bolsista Produtividade do CNPq. Coordenadora do Núcleo de Pesquisa e Estudos sobre Políticas Públicas, “Questão Social” e Serviço Social -NUPEQUESS/UFRJ. e-mail: janetell@ess.ufrj.br.

Referências

ANDERSON, P. Balanço do neoliberalismo. In: SADER, E.; GENTILI, P. (orgs.) Pós-neoliberalismo: as políticas sociais e o Estado. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1995, pp. 9-23.

ANTUNES, R. O privilégio da servidão: o novo proletariado de serviços na era digital. São Paulo: Boitempo, 2018.

BRASIL. Coordenação Geral de Planejamento e Vigilância Socioassistencial. Secretaria Especial do Desenvolvimento Social. Ministério da Cidadania. Censo SUAS 2018: Resultados Nacionais, Secretarias Estaduais de Assistência Social, Gestão Estadual. Brasília, 2019.

BRASIL. Norma Operacional Básica de Recursos Humanos do SUAS – NOB/RH/SUAS. Brasília, DF: 2009.

BOTÃO, M.; NUNES, N.R. A relevância do trabalho dos assistentes sociais no enfrentamento à pandemia da Covid-19. In: LOLE, A.; STAMPA, I.; GOMES, R.L.R. (orgs.). Para além da quarentena: reflexões sobre crise e pandemia. Rio de Janeiro: Morula Editorial, 2020.

CISNE, Mirla. Feminismo, luta de classes e consciência militante feminista no Brasil. 2013. 408 f. Tese (doutorado em Serviço Social). Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2013.

CFESS. Parâmetros para atuação de assistentes sociais na política de assistência social. Brasília: CFESS, 2011. Disponível em: http://www.cfess.org.br/arquivos/Cartilha_CFESS_Final_Grafica.pdf Acesso em: 16 mar. 2021.

COELHO, M. Valores Éticos e os Desafios da Prática Profissionais dos Assistentes Sociais nos CRAS – RJ. Revista Praia Vermelha, v. 23, n.1. Rio de Janeiro: UFRJ/PPGSS, 2013, pp. 255-273.

DÉJOURS, C. A psicodinâmica do trabalho: análise da relação prazer, sofrimento e trabalho. São Paulo: Atlas, 1994.

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS – FGV; Núcleo de Estudos da Burocracia – NEB. Nota técnica - A pandemia de COVID-19 e os profissionais da Assistência Social no Brasil, jun. 2020. Disponível em: http://www.cfess.org.br/arquivos/PesquisaFGV-rel03- social-covid-19-depoimentos-v2.pdf. Acesso em: 23 mar. 2021.

GUARANY, A.M.B. Trabalhadores resistindo ao sofrimento no trabalho: o que está implicado nesta resistência? estudo de casos de equipes de servidores de bibliotecas em uma universidade pública. Dissertação (mestrado em Serviço Social). Universidade Federal do Rio de Janeiro – PPGSS, Rio de Janeiro, 2007.

IAMAMOTO, M.V. 80 anos do Serviço Social no Brasil: a certeza na frente, a história na mão. Serviço Social & Sociedade. n.128. São Paulo: Cortez, 2017. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/sssoc/n128/0101-6628-sssoc-128-0013.pdf Acesso em: 15 mar. 2021.

IAMAMOTO, M.V. O Serviço Social na Contemporaneidade: trabalho e formação profissional. São Paulo: Cortez, 2015.

IAMAMOTO, M.V. Os espaços sócio-ocupacionais do assistente social. In: CFESS; ABEPSS. Serviço Social: direitos sociais e competências profissionais. Brasília: CEAD/UnB, pp. 341-376, 2009.

IAMAMOTO, M.V. A Questão Social no capitalismo. Temporalis. Ano 2, n. 3. Brasília: ABEPSS, Grafline, 2001. pp. 09-33.

MOTA, A.E. Espaços ocupacionais e dimensões políticas da prática do assistente social. Serviço Social & Sociedade, São Paulo: Cortez, n.120, p. 694-705, out./dez. 2014. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/sssoc/n120/06.pdf. Acesso em: 18 mar. 2021.

MOTA, A.E. A centralidade da Assistência Social na Seguridade Social brasileira nos anos 2000. In: MOTA, A.E. (org.). O Mito da assistência social: ensaios sobre Estado, política e sociedade. São Paulo: Cortez, 2010. pp.133-146.

MOTA, A.E. Serviço Social e Seguridade Social: uma agenda recorrente e desafiante. Em Pauta, n. 20, Rio de Janeiro: UERJ, 2007. pp. 127-139.

NETTO, J.P. Capitalismo Monopolista e Serviço Social. São Paulo: Cortez, 2011.

NETTO, J.P. Uma face contemporânea da barbárie. In: III Encontro Internacional “Civilização ou Barbárie”. Serpa, 2010. Disponível em: https://pcb.org.br/portal/docs/umafacecontemporaneadabarbarie.pdf Acesso em: 13 mar. 2021.

NETTO, J.P. Transformações societárias e Serviço Social: notas para uma análise prospectiva da profissão no Brasil. Serviço Social & Sociedade, n. 50. São Paulo: Cortez, abr. 1996. pp. 87-131.

PEREIRA, M.E.R.; FROTA, M.H.P. Terceirização na política de assistência social: ouvindo os trabalhadores. Textos & Contextos, v. 16, n. 1, pp. 188-204. Porto Alegre: PUCRS, 2017.

PEREIRA, M.E.R.; TASSIGNY, M.M.; BIZARRIA, F.P.A. Terceirização e precarização do trabalho na política de assistência social. Administração Pública e Gestão Social, v. 9, n. 3, p. 171-183. Viçosa: UFV, 2017. Disponível em: https://periodicos.ufv.br/apgs/article/view/5138 Acesso em: 20 mar. 2021.

RAICHELIS, R. O Serviço Social no Brasil: trabalho, formação profissional e projeto ético-político. In: YAZBEK, M.C.; IAMAMOTO, M.V. (orgs). Serviço Social na História: América Latina, África e Europa. Cortez: São Paulo, 2019. pp.62-85.

RAICHELIS, R. Serviço Social: trabalho e profissão na trama do capitalismo contemporâneo. In: RAICHELIS, R.; VICENTE, D.; ALBUQUERQUE, V. (orgs). A nova morfologia do Trabalho no Serviço Social. São Paulo: Cortez, 2018. Pp. 25-65.

RAICHELIS, R. O Trabalho e os trabalhadores do Suas: o enfrentamento necessário na assistência social. In: BRASIL. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Gestão do Trabalho no âmbito do SUAS: uma contribuição necessária. Brasília, DF: MDS; Secretaria Nacional de Assistência Social, 2011a. pp. 39-64.

RAICHELIS, R. O assistente social como trabalhador assalariado: desafios frente às violações de seus direitos. Serviço Social & Sociedade n. 107. São Paulo: Cortez, 2011b, pp. 420-437. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/sssoc/n107/03.pdf. Acesso em: 18 mar. 2021.

RAICHELIS, Raquel. Intervenção profissional do assistente social e as condições de trabalho no Suas. Serviço Social & Sociedade, n. 104. São Paulo: Cortez, 2010. pp. 750-772.

SANTOS, T.V.C.; STAMPA, I. Contratação por pregão: formas atípicas de trabalho de assistentes sociais no Brasil recente. SER Social, v. 21, n. 44, Brasília: UnB, 2019. pp. 48-72.

SERRA, R. Apresentação. In: SERRA, R. (orgs). Espaços Ocupacionais e Serviço Social: ensaios críticos. Paco Editorial: Jundiaí, 2012.

SILVA, J.B.; VASCONCELLOS, P.A.; FIGUEIREDO, V.C.N. Trabalho e sofrimento: desafios da saúde mental de profissionais da Assistência Social. Psicologia em Estudo, v. 23, abr. 2018. Maringá: UEM, 2018. Pp. 69-79.

SILVEIRA, J.I. Gestão do trabalho: concepção e significado para o SUAS. In: BRASIL. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Gestão do Trabalho no âmbito do SUAS: uma contribuição necessária. Brasília, DF: MDS; Secretaria Nacional de Assistência Social, 2011.

SOUZA, T.M.S.; DUCATTI, I. Rebatimentos do assédio moral no trabalho sobre o processo de alienação do/as trabalhadores/as. Revista Advir – Associação dos Docentes da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, n. 33, jul. 2015. Rio de Janeiro: Adsuerj, 2015. Pp. 7-24.

SOUZA, V.C.; DIAS, C.B; LEIVAS, G.R.; LEITE, J.L. Reestruturação produtiva e alterações nos espaços sócio-ocupacionais dos assistentes sociais: tendências atuais e novos desafios. In: Anais. Congresso Brasileiro de Assistentes Sociais, 16, 2019, Brasília.

SPOSATI, A. et al. Assistência na trajetória das políticas sociais brasileiras: uma questão em análise. São Paulo: Cortez, 2014.

TEIXEIRA, S.M. Família na política de assistência social: avanços e retrocessos com a matricialidade sociofamiliar. Revista de Políticas Públicas, v. 13, n. 2. São Luís, 2009. Disponível em: http://www.periodicoseletronicos.ufma.br/index.php/rppublica/article/view/4769/2787 Acesso em: 16 mar. 2021.

VASCONCELOS, I. et al. Condições de trabalho e saúde de assistentes sociais no âmbito das políticas públicas. Revista Políticas Públicas, vol. 21, n. 2, pp. 719-738. São Luís: UFMA, 2017.

VICENTE, D. Serviço Social, Trabalho e Desgaste Mental. In: RAICHELIS, R.; VICENTE, D.; ALBUQUERQUE, V. (Orgs). A nova morfologia do trabalho no Serviço Social. São Paulo: Cortez, 2018a. Pp.127-149.

VICENTE, D. “A cidade que é um país!”: o trabalho de assistentes sociais no SUAS na cidade de São Paulo, 2018b. In: Encontro Nacional de Pesquisadores em Serviço Social, 16, 2018. Anais. Vitória: UFES, 2018b.

Downloads

Publicado

2021-07-24

Como Citar

Costa de Souza, V., & Luzia Leite, J. (2021). TRANSFORMAÇÕES NO MUNDO DO TRABALHO E SERVIÇO SOCIAL: UM ESTUDO SOBRE O SOFRIMENTO E ADOECIMENTO PROFISSIONAL NO SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL (SUAS). Serviço Social Em Perspectiva, 5(02), 135–159. https://doi.org/10.46551/rssp.202122