REVISTA NORTE MINEIRA DE ENFERMAGEM

ISSN: 2317-3092

 

 

Recebido em:

21/10/2020

Aprovado em:

25/01/2021

Como citar este artigo

Gráfico de linhas

 

Serafim CTR, Rodrigues GM, Silveira RRP, Castro MCN, Dell’Acqua MGQ, Lima SAM. Nursing activities score como instrumento gerencial em unidade de terapia intensiva neonatal. 2020; 9(2):90-97.

Ícone de email

Autor correspondente

Gráfico de linhas

 

Clarita Terra Rodrigues Serafim

Universidade Estadual Paulista “Julio de Mesquita Filho”

Correio eletrônico: cla.terra@gmail.com

 

 

 

 

ARTIGO ORIGINAL

NURSING ACTIVITIES SCORE COMO INSTRUMENTO GERENCIAL EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA NEONATAL

 

Nursing activities score as a management instrument in a neonatal intensive care unit

Clarita Terra Rodrigues Serafim 1, Gabrielle Maria Rodrigues 2, Raquel Rondina Pupo da Silveira 3, Meire Cristina Novelli e Castro 4, Magda Cristina Queiroz Dell’Acqua 5, Silvana Andrea Molina Lima 6.

 

1 Doutora em Enfermagem pela Universidade Estadual Paulista “Julio de Mesquita Filho”, Faculdade Galileu, Botucatu, SP, BR, cla.terra@gmail.com, ORCID: https://orcid.org/0000-0002-3736-1665

2 Enfermeira pela Universidade Estadual Paulista “Julio de Mesquita Filho”, Universidade Federal de Sčo Paulo, Sčo Paulo, SP, BR, gah.maria214@hotmail.com, ORCID: https://orcid.org/0000-0003-4734-409X

3 Graduanda em Enfermagem pela Universidade Estadual Paulista “Julio de Mesquita Filho”, Universidade Estadual Paulista “Julio de Mesquita Filho”, Botucatu, SP, BR, raquel.rondina@unesp.br. ORCID: https://orcid.org/0000-0002-2545-1524

4 Doutora em Enfermagem pela Universidade Estadual Paulista “Julio de Mesquita Filho”, Universidade Estadual Paulista “Julio de Mesquita Filho”, Botucatu, SP, BR, novelli.castro@unesp.br. ORCID: https://orcid.org/0000-0002-0590-4127

5 Doutora em Enfermagem pela Universidade Estadual Paulista “Julio de Mesquita Filho”, Universidade Estadual Paulista “Julio de Mesquita Filho”, Botucatu, SP, BR, mqueiroz@fmb.unesp.br. ORCID: https://orcid.org/0000-0002-7518-6626

6 Livre Docente em Enfermagem pela Universidade Estadual Paulista “Julio de Mesquita Filho”, Universidade Estadual Paulista “Julio de Mesquita Filho”, Botucatu, SP, BR, smolinalima@gmail.com. ORCID: https://orcid.org/0000-0001-9945-2928

 

Extraído da tese – Impacto da carga de trabalho de enfermagem para o dimensionamento de pessoal e sua associaćčo com a notificaćčo de eventos adversos – 2019 – Universidade Estadual Paulista “Julio de Mesquita Filho”.

 

DOI: https://doi.org/10.46551/rnm23173092202090209

 

 

Objetivo: Analisar o uso do Nursing Activities Score como instrumento gerencial frente ao dimensionamento de pessoal de enfermagem em uma Unidade de Terapia Intensiva Neonatal. Método: Trata-se de um estudo transversal, quantitativo, desenvolvido em uma Unidade de Terapia Intensiva Neonatal no período de um ano. Foram realizadas estatísticas descritivas e estimados intervalos de confianća para os índices calculados, considerando p<0,05. Resultados: A amostra constituiu-se de 349 recém-nascidos. O Nursing Activities Score foi aplicado 3.703 vezes, revelando a carga de trabalho da equipe de enfermagem (774,4 pontos). O dimensionamento de pessoal calculado a partir do Nursing Activities Score apresentou-se acima do real e entre os valores preconizados pela legislaćčo brasileira atual. Conclusčo: O estudo permitiu concluir que o Nursing Activities Score é um instrumento válido e capaz de estimar a carga de trabalho da equipe de enfermagem bem como nortear o dimensionamento de pessoal em Unidade de Terapia Intensiva Neonatal.

 

DESCRITORES: Dimensionamento de pessoal; Carga de trabalho; Enfermagem neonatal; Unidades de terapia intensiva neonatal.

 

Objective: To analyze the use of the Nursing Activities Score as a managerial tool concerning the dimensioning of nursing staff in a Neonatal Intensive Care Unit. Method: This is a cross-sectional, quantitative study, carried out in a Neonatal Intensive Care Unit over one year. Descriptive statistics were performed and confidence intervals were estimated for the calculated indices, considering p<0,05. Results: The sample consisted of 349 newborns. The Nursing Activities Score was applied 3.703 times, revealing the workload of the nursing team (774,4 points). The dimensioning of personnel calculated from the Nursing Activities Score was above the real and among the values recommended by current Brazilian legislation. Conclusion: The study allowed us to conclude that the Nursing Activities Score is a valid instrument and capable of estimating the workload of the nursing team as well as guiding the dimensioning of personnel in the Neonatal Intensive Care Unit.

 

DESCRIPTORS:  Staff sizing; Workload; Neonatal nursing; Neonatal intensive care units.

INTRODUāŐO

 

Frente a alta complexidade da Unidade de Terapia Intensiva Neonatal (UTIN), o dimensionamento de pessoal e a carga de trabalho da equipe de enfermagem requerem cuidado especial. O uso adequado e eficiente de recursos é questčo relevante entre os gestores de servićos de saúde, uma vez que possivelmente a alta carga de trabalho e o dimensionamento insuficiente possam elevar o número de incidentes, o que consequentemente aumenta o tempo de internaćčo e os custos dos servićos de saúde(1-2).

 

O Conselho Federal de Enfermagem (COFEN) tem trabalhado incansavelmente na tentativa de atender as demandas propostas na atualidade. Diante da inexistźncia de uma regulamentaćčo oficial quanto a relaćčo de profissionais/leito, em 1996, a Resolućčo COFEN nľ 189 foi promulgada para regulamentar o quantitativo mínimo de profissionais necessários para a assistźncia de enfermagem(3).

 

Este documento foi revogado pela publicaćčo da Resolućčo COFEN nľ 293/2004, que traz como ponto chave o aumento das horas de assistźncia de enfermagem por leito e nível de complexidade(4).

 

A partir dos os inúmeros estudos realizados, e a necessidade de um atendimento de qualidade e seguro aos pacientes, no ano de 2016 o dimensionamento de pessoal de enfermagem foi novamente revisto, e originou a Resolućčo nľ 527/2016 a qual elevou o número de horas de assistźncia de enfermagem, além de atender as necessidades de setores específicos como saúde mental, centro de diagnóstico por imagem, centro cirúrgico e unidade de hemodiálise. Entretanto, esta última foi substituída pela Resolućčo nľ 543/2017, devido a ajustes necessários em seu corpo, além da inclusčo das Unidades Especiais(5-6).

 

A Resolućčo nľ 543/2017 prevź o referencial mínimo de profissionais de enfermagem, nas unidades de internaćčo, para as 24 horas, considerando um Sistema de Classificaćčo de Pacientes (SCP) e define como horas de enfermagem, por paciente, em 24 horas: Cuidados Mínimos: 4 horas de enfermagem/paciente;  Cuidado Intermediário: 6 horas de enfermagem/paciente;  Cuidado de alta dependźncia: 10 horas de enfermagem/paciente; Cuidado semi-intensivo: 10 horas de enfermagem/paciente; e Cuidado intensivo: 18 horas de enfermagem/paciente(6).

 

O dimensionamento das UTINs encontra-se inserido junto as demais unidades de internaćčo, frente as legislaćões do COFEN, apesar da sua complexidade e gravidade(6-7).

 

Os pacientes atendidos nas UTINs sčo classificados como de cuidados intensivos, uma vez que apresentam total dependźncia dos cuidados de enfermagem, fato que exige a proporćčo mínima de 52% de enfermeiros e os demais, técnicos de enfermagem(6-7).

 

No cenário do intensivismo , importa considerar a Portaria nľ 930, de 10 de Maio de 2012, do Ministério da Saúde (MS) que define as diretrizes de atendimento ao recém-nascido (RN) grave ou potencialmente grave, e em seu corpo determina o quantitativo mínimo de 1 enfermeiro coordenador com jornada de 8 horas diárias, especialista em neonatologia ou com no mínimo 2 anos de experiźncia, 1 enfermeiro assistencial para cada 10 leitos ou fraćčo em cada turno e, no mínimo, 1 técnico de enfermagem para cada 2 leitos em cada turno(8).

 

O subdimensionamento está diretamente relacionado ao aumento da carga de trabalho da equipe de enfermagem, assim, muitos estudos tźm se voltado a tentativa de realizar o dimensionamento por meio de instrumentos específicos de mensuraćčo(9-10).

 

Entretanto, por estes instrumentos nčo serem especificamente criados para tal finalidade, torna-se necessária a realizaćčo de estudos comparativos, a fim de avaliar a aptidčo dos mesmos e nčo comprometer a seguranća e qualidade da assistźncia de enfermagem em UTIN.

 

O Nursing Activities Score (NAS), que tem por objetivo a mensuraćčo da carga de trabalho da equipe de enfermagem, é capaz de representar 81% do tempo da enfermagem(11-12).O instrumento é divido em 23 questões compreendidas por 7 categorias: Atividade Básicas, Suporte Ventilatório, Suporte Cardiovascular, Suporte Renal, Suporte Neurológico, Suporte Metabólico e Intervenćões Específicas(11-12).

 

A soma dos itens do NAS representa o tempo gasto por um membro da equipe de enfermagem ao longo de 24 horas, em porcentagem, podendo atingir um valor máximo de 176,8%. Desta maneira, um escore com valor de 100% indica a necessidade de um profissional de enfermagem por plantčo para realizar assistźncia ao paciente, considerando que cada ponto do NAS equivale a 14,4 minutos(11-12).

 

A utilizaćčo prática do NAS, em UTI adulto diariamente, tem demonstrado benefícios na otimizaćčo de recursos humanos e na qualidade da assistźncia prestada ao paciente bem como dos custos das instituićões, tendo em vista a redućčo do tempo de internaćčo e do número de complicaćões. Ademais, sua utilizaćčo é capaz de estimar o quantitativo de pessoal da equipe de enfermagem, sendo assim considerada uma importante ferramenta(12-14).

 

Traduzido e validado no Brasil no ano de 2003, o NAS foi testado e validado para uso na neonatologia no ano de 2007, onde foi proposto um tutorial para aplicabilidade homogźnea do instrumento(12-13).

 

Assim, o objetivo deste estudo foi analisar o uso do Nursing Activities Score como instrumento gerencial frente ao dimensionamento de pessoal de enfermagem em uma Unidade de Terapia Intensiva Neonatal.

 

MÉTODO

 

Trata-se de um estudo transversal, quantitativo, desenvolvido na Unidade de Terapia Intensiva Neonatal (UTIN) de um hospital escola do interior do estado de Sčo Paulo. A Unidade Neonatal faz parte de um complexo hospitalar de referźncia na regičo, e conta com 16 leitos de berćário e 17 leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI). A equipe de enfermagem da Unidade Neonatal é comum entre o berćário e a UTI, composta por um enfermeiro coordenador, 14 enfermeiros assistenciais e 65 técnicos de enfermagem, que sčo escalados mensal e diariamente de acordo com a demanda do servićo, o que permite a mobilidade da equipe sempre que necessário entre as unidades. 

 

Os dados foram coletados considerando o período de Setembro de 2018 a Setembro de 2019, por meio de de escalas diárias e mensais, disponibilizadas pela unidade, para o registro do número de enfermeiros e técnicos de enfermagem por 24 horas e de relatórios informatizados com o número de RNs internados e a carga de trabalho avaliada por dia por meio do instrumento NAS preenchido diariamente no período noturno por enfermeiras devidamente treinadas.

 

Para o cálculo do dimensionamento de pessoal ideal, diário da equipe de enfermagem da UTIN em estudo, testou-se trźs hipóteses, a saber: 1. Resolućčo COFEN nľ 543/2017 considerando-se um mźs típico e a unidade como Unidade de Internaćčo com pacientes de cuidados intensivos; 2. Portaria nľ 930 de 10 de Maio de 2012, do MS, de acordo com o número de RNs internados diariamente; 3. NAS, criado para avaliaćčo de carga de trabalho, tźm como efeito secundário, a capacidade de quantificar o número de profissionais necessários para assistźncia ao paciente em 24 horas. Assim o cálculo de profissionais necessário para atender a demanda diária por meio do NAS foi desenvolvido a partir da equaćčo matemática(6,8-9).

 

 

 

 

Onde: Qdiário = quantidade diária de profissionais de enfermagem; ∑ NAS = total NAS (em horas) por dia de coleta, sendo que cada ponto do NAS equivale a 14,4 minutos; t = jornada diária de trabalho (12 horas); p = produtividade (0,80).

 

Após a identificaćčo do NAS diário dos RNs e do quantitativo de neonatos internados na UTIN em cada dia de coleta, para testar os parČmetros, foram construídas pelas pesquisadoras escalas fictícias ideais.

 

Todos os dados foram categorizados em planilha do tipo Excel® e posteriormente analisado por meio de estatísticas descritivas e estimados intervalos de confianća para os índices calculados, considerando a relaćčo do quantitativo de pessoal real e esperado, por meio do Programa Statistical Package for the Social Science (SPSS®), versčo Windows 22, considerando p< 0,05.

 

O projeto foi aprovado pelo Comitź de Ética em Pesquisa da Faculdade de Medicina de Botucatu, conforme determinaćões legais propostas pela Resolućčo 466/2012 do Conselho Nacional de Saúde, sob o parecer número 3.662.123/2019.

 

RESULTADOS

 

Estiveram internados na UTIN no período do estudo, 349 neonatos, com média de 12 recém-nascidos hospitalizados por dia.

 

O NAS foi avaliado 3.703 vezes, com média de 308 aferićões mensais. A média do NAS por bebź foi de 62% (14,8 horas). A soma do NAS de todos os pacientes da unidade variou de 295,6 a 1342,4 pontos, com média de 774,4 (Ī194,1), permitindo-se calcular a carga de trabalho diária da equipe de enfermagem. Essa pontuaćčo   correspondeu a 180,2 (Ī55,8) horas de assistźncia, indicando a necessidade de 7 a 33 profissionais de enfermagem para atender a demanda diária na UTIN, com média de 18 profissionais por turno.Quando considerados os parČmetros para o dimensionamento de pessoal determinados pela a Resolućčo COFEN nľ543/2017, a média de profissionais de enfermagem dia por turno foi de 23. Enquanto que conforme as diretrizes da Portaria do Ministério da Saúde nľ 930, a média deveria ser de 17 funcionários dia por turno para o atendimento aos RNs.

 

Durante o período de análise, o número de profissionais de enfermagem, por turno, destinados especificamente a UTIN, variou de 9 a 20, com média de 15 profissionais.

 

Ao ser comparado o número real de profissionais da unidade estudada com o requerido pela Resolućčo COFEN nľ 543/2017, pela Portaria do MS nľ 930 e pelo estimado por meio do NAS, este apresentou-se abaixo do exigido (Tabela 1).

 

Tabela 1 – Relaćčo do dimensionamento total da equipe de enfermagem da UTIN, com a Resolućčo COFEN nľ 543/2017, Portaria do Ministério da Saúde nľ930 e NAS. Botucatu, SP, 2019.

Indicador

Média

Dp*

IC95%

pŗ

Relaćčo Real / NAS

0,86

0,20

0,84

0,88

< 0.001

Relaćčo Real / Resolućčo

0,65

0,07

0,64

0,66

< 0.001

Relaćčo Real / Portaria

0,93

0,19

0,91

0,95

< 0.001

*dp – desvio padrčo; IC – intervalo de confianća, ŗp significativo <0,05.

Fonte: Dados da pesquisa, 2019

 

Na análise do número de profissionais requeridos entre os diferentes instrumentos, observou-se que o dimensionamento pelo NAS ficou entre a Resolućčo COFEN nľ 543/2017 e o requerido pela Portaria do MS nľ 930. A referida Resolućčo exige maior número de profissionais quando comparada ą Portaria do MS nľ 930 (Tabela 2).

 

Tabela 2 – Relaćčo do dimensionamento de pessoal pelo NAS, Resolućčo COFEN nľ543/2017 e Portaria do Ministério da Saúde nľ 930, requerido pela UTIN. Botucatu, SP, 2019.

Indicador

Média

Dp*

IC95%

pŗ

Relaćčo NAS / Resolućčo

0,79

0,19

0,77

0,81

< 0.001

Relaćčo NAS / Portaria

1,13

0,22

1,10

1,15

< 0.001

Relaćčo Resolućčo / Portaria

1,46

0,36

1,42

1,50

< 0.001

*dp – desvio padrčo; IC – intervalo de confianća, ŗp significativo <0,05.

Fonte: Dados da pesquisa, 2019

 

DISCUSSŐO

 

Com o objetivo de analisar a carga de trabalho da equipe de enfermagem dispensada aos neonatos na unidade investigada calculada a partir do instrumento NAS, evidenciou-se uma média de 62% que corresponde a 14,8 horas de assistźncia ao dia. Dado compatível com as médias disponíveis na literatura em UTIs, que variaram entre 55,7% a 87,3%, consideradas como uma carga de trabalho compatível a realidade dos hospitais brasileiros(13,15).

 

Um estudo multicźntrico realizado em UTI adulto afirma que diferenćas entre os scores, em universos distintos, estčo relacionados ao tipo de unidade assim como as características dos pacientes atendidos(16).

 

Para efeitos de comparaćčo entre o dimensionamento de pessoal real e requerido pelo NAS, evidenciou-se a carga de trabalho diária da equipe de enfermagem com média de 774,4 pontos, que correspondem a 180,2 horas de enfermagem e que por meio da fórmula descrita anteriormente, prevź um quantitativo de 18 profissionais de enfermagem por turno.

 

Considerando a literatura nacional, a média de pontos do NAS foi de 568,63 a 749,9 em UTIN, evidenciando uma alta carga de trabalho da equipe de enfermagem deste estudo(9,17).

 

Ao avaliar o número de profissionais disponíveis com o requerido tanto pela Resolućčo COFEN nľ 543/2017, como pela Portaria nľ 930 do MS e pelo NAS, os resultados demonstram a necessidade de ajuste no dimensionamento de pessoal da unidade.

 

 

A Resolućčo prevź um quantitativo maior de enfermeiros em unidades intensivas, pois considera que os pacientes atendidos necessitam de cuidados complexos que muitas vezes devem ser realizados prioritariamente por enfermeiros, sendo de responsabilidade dos técnicos de enfermagem as atividades de média complexidade(6).

 

A proporćčo paciente/enfermeiro é estudada em todo o mundo, e dados afirmam que o aumento no percentual de enfermeiros pode afetar consideravelmente a sobrevida dos pacientes, nčo apenas pela melhora da qualidade do atendimento direto ao paciente, evitando a incidźncia de eventos adversos, mas também pelos benefícios relacionados ao ambiente de trabalho da equipe de enfermagem(18-21).

 

Quanto ao déficit de pessoal evidenciado, estudos anteriores que compararam o dimensionamento de pessoal real com o proposto pelas antigas Resolućões COFEN nľ 293/04 e nľ 527/2016 e com a atual de 2017, afirmam que há inadequaćčo entre o real e o requerido, tanto em UTI adulto, pediátrica ou neonatal, demonstrando ser uma realidade dos sistemas de saúde brasileiros(7,9-10,18,21).

 

Cabe refletir que as resolućões foram atualizadas por duas vezes consecutivas recentemente, na tentativa de melhorar a qualidade da assistźncia, assim como a qualidade do trabalho das equipes de enfermagem, entretanto o déficit de pessoal é ainda característica das instituićões de saúde em todo território nacional.

 

Nčo havendo legislaćčo do Conselho de Enfermagem própria para unidades neonatais, a Portaria nľ 930 do Ministério da Saúde atende ao objetivo de qualificar os profissionais responsáveis aos cuidados dos neonatos graves como já exposto, porém também apresentou-se acima do real da unidade de estudo, apesar desta exigir menor número de profissionais quando comparada a Resolućčo COFEN nľ543/2017.

 

Diferentes investigaćões realizadas em UTIN apontaram que o dimensionamento requerido pelo NAS foi superior ao preconizado pela Resolućčo COFEN 293/04(9-10,13).

 

Um estudo que considerou a resolućčo do ano de 2016, em UTI Pediátrica também afirma que o NAS esteve acima do requerido, propondo a reconsideraćčo do dimensionamento de pessoal, frente a esta populaćčo(10).

 

Este mesmo estudo cita a relaćčo NAS / Resolućčo em UTIN, entretanto, com foco apenas no quantitativo de enfermeiros, que é deficiente, e nčo estende a comparaćčo ao dimensionamento da equipe. Outra pesquisa realizada em UTI adulto, que avalia o NAS como instrumento de dimensionamento de pessoal, nčo o compara ao requerido pela Resolućčo, demonstrando uma lacuna no conhecimento quanto a estas questões após atualizaćčo da legislaćčo(10-20).

 

Neste sentido, a investigaćčo é precursora na utilizaćčo das novas recomendaćões, sendo que neste estudo o NAS foi menor do que o exigido pela Resolućčo nľ 543/2017 do COFEN, sugerindo que esta evidźncia possa estar relacionada ao aumento das horas de enfermagem previstas desde 2016. 

 

O fato do dimensionamento de pessoal demandado pelo NAS estar entre o requerido pela Resolućčo e pela Portaria utilizadas nas análises comparativas desse estudo nos faz inferir que o mesmo é adequado para o uso em unidades neonatais, pois aproxima-se de ambas as legislaćões vigentes e possibilita o cálculo real da carga de trabalho. Um dimensionamento de pessoal adequado, implica em benefícios tanto para o paciente com relaćčo a seguranća do paciente e humanizaćčo do cuidado, como com a qualidade laboral dos profissionais da equipe de enfermagem(15,22-23).

 

Um estudo realizado em unidade neonatal evidenciou que 31% dos participantes acreditam que o dimensionamento de pessoal adequado coopera para uma assistźncia de qualidade; e 44% que a carźncia de funcionários é um dos entraves encontrado dentro das instituićões de saúde(7).

 

Outro recente estudo qualitativo realizado do sul do Brasil, observou que quanto maior a taxa de pacientes por profissional de enfermagem e maior a carga de trabalho, menor é a taxa de satisfaćčo dos pacientes em relaćčo ao cuidado oferecido(24).

 

O equilíbrio quali-quantitativo de profissionais de enfermagem é o desafio imposto para as instituićões de saúde. A literatura infere que aćões voltadas a atitudes seguras dos profissionais se nčo associadas a condićões adequadas de trabalho, podem ser insuficientes para melhoria da qualidade da assistźncia. Nesse sentido, se faz necessário o embasamento científico dos gestores e o uso de instrumentos de qualidade que permitam o conhecimento da realidade vivenciada(25).

 

Considera-se como limite deste estudo, a realizaćčo em centro único, apesar do seguimento anual, assim sugere-se a realizaćčo de novas investigaćões nesta perspectiva, a fim de qualificar o atendimento aos recém-nascidos que necessitam de cuidados intensivos, na busca pela criaćčo de legislaćões específicas as unidades neonatais, considerando suas particularidades.

 

CONCLUSŐO

               

Conclui-se que o uso do NAS como instrumento gerencial no Čmbito das unidades neonatais, considerando o previsto pela Resolućčo do COFEN nľ 543/2017 e pela Portaria nľ 930 de 10 de Maio de 2012 do MS, é adequado, pois permite estimar a carga de trabalho da equipe de enfermagem bem como nortear o cálculo do dimensionamento de pessoal.

 

REFERśNCIAS

 

1.      Oliveira AC, Garcia PC, Nogueira LS. Nursing workload and occurrence of adverse events in intensive care: a systematic review. Rev Esc Enferm USP. 2016;50(4):679-689. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0080-623420160000500020

2.      Tubbs-Cooley HL, Mara CA, Carle AC, Mark BA, Pickler RH. Association of Nurse Workload With Missed Nursing Care in the Neonatal Intensive Care Unit. JAMA Pediatr. 2019;173(1):44–51. DOI: http://dx.doi.org/10.1001/jamapediatrics.2018.3619

3.      Conselho Federal de Enfermagem (COFEN) (BR). Resolućčo COFEN Nľ 189/1996, de 25 de marćo de 1996 (BR). Estabelece parČmetros para dimensionamento do quadro de profissionais de enfermagem nas instituićões de saúde. Brasília (DF): Conselho Federal de Enfermagem (COFEN) [Internet]; 1996 [cited 2019 set 31]. Available from: http:// www.cofen.gov.br/resoluo-cofen-1891996-revogada-pela-resoluocofen-2932004_4249.html.

4.      Conselho Federal de Enfermagem (COFEN) (BR). Resolućčo COFEN Nľ 293/2004, de 21 de setembro de 2004. Fixa e estabelece parČmetros para dimensionamento do quadro de profissionais de enfermagem nas unidades assistenciais das instituićões de saúde e assemelhados. Brasília (DF): Conselho Federal de Enfermagem (COFEN) [Internet]; 2004 [cited 2019 Sep 31]. Available from: http://www.cofen.gov.br/ resoluo-cofen-2932004_4329.html.

5.      Conselho Federal de Enfermagem (COFEN) (BR). Resolućčo COFEN Nľ 527/2016, de 03 de novembro de 2016. Atualiza e estabelece parČmetros para o Dimensionamento do Quadro de Profissionais de Enfermagem nos servićos/locais em que sčo realizadas atividades de enfermagem. Brasília (DF): Conselho Federal de Enfermagem (COFEN) [Internet]; 2016 [cited 2019 Sep 31]. Available from: http:// www.cofen.gov.br/resolucao-cofen-no-05272016_46348.html.

6.      Conselho Federal de Enfermagem (COFEN) (BR). Resolućčo COFEN Nľ 543/2017, de 18 de abril de 2017. Atualiza e estabelece parČmetros para o Dimensionamento do Quadro de Profissionais de Enfermagem nos servićos/locais em que sčo realizadas atividades de enfermagem. Brasília (DF): Conselho Federal de Enfermagem (COFEN) [Internet]; 2017 [cited 2019 Sep 31]. Available from: http://www.cofen.gov.br/ resolucao-cofen-5432017_51440.html.

7.      Curan GRF, Beraldo A, Souza SNDH, Rossetto EG. Dimensionamento de pessoal de unidades neonatais em um hospital universitário. Semina: Ciźncias Biológicas e da Saúde. 2015;36(1):55-62. DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1679-0367.2015v36n1Suplp55.

8.      Ministério da Saúde (BR). Portaria Nľ 930, de 10 de maio de 2012. Define as diretrizes e objetivos para a organizaćčo da atenćčo integral e humanizada ao recém-nascido grave ou potencialmente grave e os critérios de classificaćčo e habilitaćčo de leitos de Unidade Neonatal no Čmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Brasília (DF); 2012. [cited 2019 set 31] Available from: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2012/prt0930 _10_05_2012.html.

9.      Nunes BK, Toma, E. Assessment of a neonatal unit nursing staff: application of the Nursing Activities Score. Rev Latino-Americana de Enfermagem [Internet]. 2013; 21(1):1-8 DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-11692013000100009

10.   Trettene AS, Fontes CMB, Razera APR, Prado PC, Bom GC, von Kostrisch LM. Dimensionamento de pessoal de enfermagem referente ą promoćčo do autocuidado em unidade de terapia semi-intensiva pediátrica. Rev. bras. ter. intensiva  [Internet]. 2017;29(2):171-179. DOI: https://doi.org/10.5935/0103-507x.20170027.

11.   Miranda DR, Raoul N, Rijk A, Schaufeli W, Iapichino G. Nursing Activities Score. Crit Care Med. 2003;31(2):374-82. 7.

12.   Queijo AF, Padilha KG. Nursing Activities Score (NAS): cross cultural adaptation and validation to portuguese language. Rev Esc Enferm USP [Internet]. 2009 [cited 2018 Oct 01];43(Esp):1001-8. Available from: http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v43nspe/ a04v43ns.pdf

13.   Bochembuzio L. Avaliaćčo do instrumento Nursing Activities Score em Neonatologia (NAS). [tese]. Curso de Enfermagem: Universidade de Sčo Paulo, Sčo Paulo; 2007.

14.   Stafseth SK, Tonnessen TI, Fagerström L. Association between patient classification systems and nurse staffing costs in intensive care units: An exploratory study, Intensive and Critical Care Nursing. 2018;45:78-84. DOI: https://doi.org/10.1016/j.iccn.2018.01.007.

15.   Fugulin FMT, Lima AFC, Castilho V, Bochembuzio L, Costa JA, Castro L, et. al. Cost of nursing staffing adequacy in a neonatal unit. Rev Esc Enferm USP. 2011;45(Esp):1582-8. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0080-62342011000700007

16.   Padilha KG, Stafseth S, Solms D, Hoogendoom M, Monge FJC, Gomaa OH et al . Nursing Activities Score: an updated guideline for its application in the Intensive Care Unit. Rev. esc. enferm. USP. 2015;49(n.esp):131-137. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0080-623420150000700019.

17.   Grebinski ATKG, Biederman FA, Berte C, Barreto GMS, Oliveira JLC, Santos EB. Carga de trabalho e dimensionamento de pessoal de enfermagem em Terapia Intensiva Neonatal. Enferm. Foco 2019;10(1):24-28. DOI: https://doi.org/10.21675/2357-707X.2019.v10.n1.1468

18.   McHugh MD, Rochman MF, Sloane DM, Berg RA, Mancini ME, Nadkarni VM, et. al. Better Nurse Staffing and Nurse Work Environments Associated With Increased Survival of In-Hospital Cardiac Arrest Patients. Med Care [internet]. 2016 [cited 2019 out 11];54(1): 74–80. Available from: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4841621/pdf/nihms745619.pdf.

19.   Quadros DV, Magalhčes AMM, Mantovani VM, Rosa DS, Echer IC. Analysis of managerial and healthcare indicators after nursing personnel upsizing. Rev Bras Enferm. 2016;69(4):638-43. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167.2016690410i

20.   Souza VS, Inoue KC, Oliveira JLC, Magalhčes AMM, Martins EAP, Matsuda LM. Dimensionamento do pessoal de Enfermagem na terapia intensiva adulto. REME – Rev Min Enferm. 2018;22:e-1121. DOI: http://www.dx.doi.org/10.5935/1415-2762.20180056

21.   Pedro DRC, Silva FKT, Schran LS, Faller TT, Oliveira JLC5, Tonini NS. Sizing of nursing staff of a pediatric clinic at a university hospital. Rev Enferm UFPI. 2017; Jul-Sep;6(3):4-10. DOI: https://doi.org/10.26694/reufpi.v6i3.5997

22.   Silva LC da, Oliveira DAL, Santos ABR, Barbosa LMS, Araújo LG, Barboza MTV, et. al. Personel dimensioning and its interference in the quality of care. Rev enferm UFPE on line. 2019; 13(1):491-8. DOI: https://doi.org/10.5205/1981-8963-v13i02a236551p491-498-2019

23.   Hall LH, Johnson J, Watt I, Tsipa A, O'Connor DB. Healthcare Staff Wellbeing, Burnout, and Patient Safety: A Systematic Review. PLoS One. 2016;11(7):e0159015. DOI: 10.1371/journal.pone.0159015.

24.   Costa DG, Moura GMSS, Moraes MG, Santos JLG, Magalhčes AMM. Satisfaction attributes related to safety and quality perceived in the experience of hospitalized patients. Rev Gaúcha Enferm. 2020;41(esp):e20190152. DOI: https://doi.org/10.1590/1983-1447.2020.20190152

Elsous A., Akbari Sari A, AlJeesh Y, Radwan M.  Nursing perceptions of patient safety climate in the Gaza Strip, Palestine. International Nursing Review 2017;64:446– 454. DOI:   https://doi.org/10.1111/inr.12351