A modelagem matemática como uma metodologia investigativa e crítica nas aulas de Matemática

Autores

DOI:

https://doi.org/10.46551/emd.e202037

Resumo

Ressaltamos que, a busca por metodologias que estejam adequadas a um ensino que possibilite a formação intelectual e cidadã dos alunos, torna-se cada vez mais forte e emergente. Nessa perspectiva, as diferentes tendências da Educação Matemática podem contribuir de modo decisivo e, no caso particular das tendências Modelagem em Educação Matemática e Investigação Matemática na Sala de Aula, observamos aspectos que convergem. Neste sentido, refletimos aqui, possibilidades da Modelagem Matemática como uma metodologia investigativa nas aulas de Matemática, o que pode favorecer ou dificultar a implementação desta metodologia na sala de aula e sobre a importância da comunicação oral entre os participantes das interações, na fase de validação, particularmente.

Palavras-chave: Modelagem Matemática. Investigações Matemáticas na Sala de Aula. Comunicação Oral. Reflexões.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALMEIDA, Lourdes Maria Werle de. Estratégias heurísticas como meios de ação em atividades de Modelagem Matemática. Com a Palavra o Professor, Vitória da Conquista, v. 5, n. 11, jan./abr. 2020.

ALMEIDA, Lourdes Maria Werle de. Um olhar semiótico sobre modelos e modelagem: metáforas como foco de análise. Zetetiké, Campinas, v. 18, p. 387-414, dez. 2010.

ARAÚJO, Jussara de Loiola. Cálculo, Tecnologias e Modelagem Matemática: as discussões dos alunos. 2002. 180f. Tese (Doutorado em Educação Matemática) — Instituto de Geociências e Ciências Exatas. Universidade Estadual Paulista. Rio Claro.

ARAÚJO, Jussara de Loiola. Uma abordagem sócio-crítica da modelagem matemática: a perspectiva da Educação Matemática Crítica. Alexandria, Florianópolis, v. 2, n. 2, p. 55-68, 2009.

ARAÚJO, Jussara de Loiola; ROCHA, Ana Paula; MARTINS, Danielle Alves. Papel da Matemática (ou de modelos matemáticos) em ambientes de modelagem: a proposta de Rafael. Rematec, Natal, v. 9, n. 17, p. 5-23, set./dez. 2014.

BAKHTIN, Mikhail. Estética da criação verbal. Tradução de Paulo Bezerra. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

BAKHTIN, Mikhail. Marxismo e filosofia da linguagem: problemas fundamentais do Método Sociológico na Ciência da Linguagem. Tradução de Michel Lahud e Yara Frateschi Vieira. 2 ed. São Paulo: Hucitec, 1981.

BARBOSA, Jonei Cerqueira. Modelagem Matemática: O que é? Por que? Como? Veritati, Salvador, n. 4, p. 73-80, 2004.

BARBOSA, Jonei Cerqueira; SANTOS, Marluce Alves dos. Modelagem matemática, perspectivas e discussões. In: ENCONTRO NACIONAL DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA, 9, 2007, Belo Horizonte. Anis do IX ENEM: Diálogos entre a pesquisa e a prática educativa. Belo Horizonte: SBEM, 2007, p. 1-12.

BASSANEZI, Rodney Carlos. Ensino-aprendizagem com modelagem matemática: uma nova estratégia. 4 ed. São Paulo: Contexto, 2014.

BASSANEZI, Rodney Carlos. Modelagem Matemática: teoria e prática. São Paulo: Contexto, 2015.

BASSANEZI, Rodney Carlos; FERREIRA JR, Wilson Castro. Equações Diferenciais com aplicações. São Paulo: Harbra, 1988.

BIEMBENGUT, Maria Salett. Modelagem na Educação Matemática e na Ciência. São Paulo: Livraria da Física, 2016.

BISHOP, Alan John; GOFFREE, Fred. Classroom organization and dynamics. In: CHRISTIANSEN, Bent; HOWSON, Geoffrey; OTTE, Michael (Ed.) Perspectives on Mathematics Education. Dordrecht: D. Reidel, 1986, p. 309-365.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Base Nacional Curricular Comum. Brasília: MEC/SEB, 2017.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais – terceiro e quarto ciclos: apresentação dos temas transversais. Brasília: MEC/SEF, 1998.

BURAK, Dionísio. Modelagem Matemática e a sala de aula. In: I ENCONTRO PARANAENSE DE MODELAGEM EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA, 2004, Londrina. Anais do I EPREM. Londrina: UEL, 2004, p. 1-10.

CHOMSKY, Noam. Reflexões sobre a linguagem. Tradução de Calos Vogt et al. São Paulo: Cultrix, 1980.

D’AMBROSIO, Ubiratan. A Educação Matemática hoje: porque e como? In: ENCONTRO NACIONAL DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA, 12, 2016, São Paulo. Anais do XII ENEM — Educação Matemática na contemporaneidade: desafios e possibilidades. São Paulo: SBEM: 2016, p. 1-5.

D’AMBRÓSIO, Ubiratan. Educação Matemática: da teoria à prática. 23. ed. Campinas: Papirus, 2019.

FERNANDES, Fernando Luís Pereira. Um olhar para as relações entre platonismo e concepções de ensino de Matemática. Nucleus, Ituverava, v. 13, n. 2, p. 33-37, out. 2016.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 25 ed. São Paulo. Paz e Terra, 1996.

KAISER, Gabriele; SRIRAMAN, Bharath. A global survey of international perspectives on modelling in Mathematics Education. ZDM Mathematics Education, v. 38, n. 3, p. 302-310, jun. 2006.

KRISTEVA, Julia. Introdução à semanálise. Tradução de Lucia Helena Ferraz. São Paulo: Perspectiva, 1974.

LAKATOS, Imre. A lógica do descobrimento matemático: provas e refutações. Tradução de Nathanael Caixeiro. Rio de Janeiro: Zahar, 1978.

LEINHARDT, Gaea. Instructional explanations: a commonplace for teaching and location for contrast. In: RICHARDSON, Virginia. (Ed.). Handbook for research on teaching. Washington: American Educational Research Association, 2001, p. 333-357.

MACHADO, Nilson José. Epistemologia e didática: as concepções de conhecimento inteligência e a prática docente. São Paulo: Cortez, 2016.

MEDEIROS, Katia Maria; MEIRA, Gilmara Gomes. A resolução de problemas geométricos como alternativa de comunicação matemática em sala de aula. Vidya, Santa Maria, v. 39, n. 1, p. 291-309, jan./jun. 2019.

MEYER, João Frederico da Costa Azevedo; CALDEIRA, Ademir Donizeti; MALHEIROS, Ana Paula dos Santos. Modelagem em Educação Matemática. Belo Horizonte: Autêntica, 2011.

PINHEIRO, Joseane Mirtis de Queiroz; MEDEIROS, Kátia Maria de. As perguntas para desenvolver estratégias: álgebra e resolução de problemas no Ensino Médio. In: ENCONTRO NACIONAL DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA, 13, 2019, Cuiabá. Anais do XIII ENEM — Educação Matemática com as escolas da Educação Básica: interfaces entre pesquisas e salas de aula. Cuiabá: SBEM, 2019, p. 1-15.

PONTE, João Pedro da. Concepções dos professores de Matemática e processos de formação. In: BROWN, Margaret; FERNANDES, Domingos; MATOS, José Manuel; PONTE, João Pedro da. (Coord.). Educação Matemática. Lisboa: Instituto de Inovação Educacional, 1992, p. 185-239.

PONTE, João Pedro da. Investigações matemáticas e investigações na prática profissional. São Paulo: Livraria da Física, 2017.

PONTE, João Pedro da. Investigar, ensinar e aprender. In: ENCONTRO NACIONAL DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA, 19, 2003, Santarém. Actas do XIX ProfMat. Lisboa: APM. 2003, p. 25-39.

PONTE, João Pedro da; BROCARDO, Joana; OLIVEIRA, Hélia. Investigações Matemáticas na sala de aula. 4. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2019.

RODRIGUES, Adrielly Soraya Gonçalves. Exploração da calculadora no desenvolvimento de uma cultura de argumentação nas aulas de Matemática. 2015. 144f. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências e Matemática) — Centro de Ciências e Tecnologias. Universidade Estadual da Paraíba. Campina Grande.

RODRIGUES, Alexandra; CARREIRA, Suzana. Investigando a aula. In: ENCONTRO DE INVESTIGAÇÃO EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA, 2018, Coimbra. Actas do EIEM: a aula de Matemática. Coimbra: SPIEM, 2018, p. 61-66.

RODRIGUES, Cátia; MENEZES, Luis; PONTE, João Pedro da. Discussões coletivas em Matemática: um olhar sobre a prática de três professores. In ENCONTRO DE INVESTIGAÇÃO EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA, 2018, Coimbra. Actas do EIEM 2018: a aula de Matemática. Coimbra: SPIEM, 2018, p. 261-278.

SFARD, Anna. Commognition. In: LERMAN, Stephen (Ed.). Encyclopedia of Mathematics Education. New York: Springer, 2018, p. 1-7.

SKOVSMOSE, Ole. Educação Matemática Crítica: a questão da democracia. Campinas: Papirus. 2001.

SKOVSMOSE, Ole. Towards a Philosophy of Critical Mathematics Education. Dordrecht: Kluwer Academic Publishers, 1994.

Arquivos adicionais

Publicado

2020-07-30

Edição

Seção

Dossiê — Modelagem Matemática e Resolução de Problemas