Conhecimentos mobilizados por uma professora de Matemática de estudantes surdos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24116/emd.v3n8a04

Resumo

Neste artigo são discutidos os conhecimentos mobilizados por uma professora de Matemática, a partir de uma Trajetória Hipotética de Aprendizagem (THA), para um grupo de estudantes surdos.  O artigo tem como fundamentação teórica tanto as pesquisas sobre THA no ensino de Matemática em uma perspectiva construtivista, quanto as que tratam dos conhecimentos do professor. Os resultados indicam que a THA pode ser utilizada como instrumento para verificar os conhecimentos mobilizados pelos professores. Em relação ao professor de surdos, é possível afirmar que o conhecimento da cultura e das especificidades destes estudantes, dos recursos visuais, do pedagógico, do conteúdo específico e da língua de sinais articulada com a língua portuguesa são essenciais no processo de ensino.

Palavras-chave: Conhecimento do professor. Estudante surdo. Trajetória Hipotética de Aprendizagem. Educação Matemática.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARDENGHI, Marcos José. Ensino-aprendizagem do conceito de função: pesquisas realizadas no período de 1970 a 2005 no Brasil. 2008. 182f. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática) – Faculdade de Ciências Exatas e Tecnologias. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. São Paulo.

BASSOI, Tânia Stella. Uma professora, seus alunos e as representações do objeto matemático funções em aulas do Ensino Fundamental. 2006. 182f. Tese (Doutorado em Educação) – Setor de Educação. Universidade Federal do Paraná. Curitiba.

BOGDAN, Roberto Carlos; BIKLEN, Sari Knopp. Investigação qualitativa em Educação. Tradução Maria João Alvarez, Sara Bahia dos Santos e Telmo Mourinho Baptista. Porto: Porto Editora, 1994.

BORGES, Fábio Alexandre. Institucionalização (sistemática) das representações sociais sobre a “deficiência” e surdez: relações com o ensino de Ciências e Matemática. 2006. 164f. Dissertação (Mestrado em Educação para a Ciência e o Ensino de Matemática). Universidade Estadual de Maringá. Maringá.

BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília: Diário Oficial da União, 20 dez. 1996.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Parâmetros Curriculares Nacionais – Ensino Médio: Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias. Brasília: MEC/SEB, 1999.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Política Nacional de Educação Especial. Brasília: MEC/SEESP, 1994.

CAMPELLO, Ana Regina e Souza. Aspectos da visualidade na educação de surdos. 2008. 245f. Tese (Doutorado em Educação) – Centro de Ciências da Educação. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2008.

CHARLOT, B. Um professor na sociedade contemporânea: um trabalho da contradição. Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 17, n. 30, p. 17-31, jul./dez. 2008.

COLL, Cesar; SOLÉ, Isabel. Os professores e a concepção construtivista. In: COLL, Cesar. (Org.). O construtivismo na sala de aula. Tradução de Claudia Schilling. São Paulo: Ática, 2009.

DELGADO, Carlos José Borges. O ensino da função afim a partir dos registros de representação semiótica. 2010. 153f. Dissertação (Mestrado em Ensino das Ciências na Educação Básica) – Escola de Educação, Ciências, Letras, Artes e Humanidades. Universidade do Grande Rio. Duque de Caxias.

DIAS, Tárcia Regina da Silveira. Educação de surdos na escola pública e bilinguismo. V CONGRESSO INTERNACIONAL DO INSTITUTO NACIONAL DE EDUCAÇÃO DE SURDOS e IX Seminário Nacional do Instituto Nacional de Educação de Surdos. Anais do V CIINES e IX SNINES: Surdez: família, linguagem, educação. 2006.

DUVAL, Raymond. Registros de representações semióticas e funcionamento cognitivo da compreensão em Matemática. In: MACHADO, Silvia Dias Alcântara. (Org.). Aprendizagem em Matemática: registros de representação semiótica. Campinas: Papirus, 2003, p. 11-33.

GAUTHIER, Clermont; MARTINEAU, Stéphane; DESBIENS, Jean-François; MALO, Annie; SIMARD, Denis. Por uma teoria da Pedagogia: pesquisas contemporâneas sobre o saber docente. Ijuí: Unijuí, 1998.

GIL, Rita Sidmar Alencar. Educação Matemática para surdos: um estudo das necessidades formativas dos professores que ensinam conceitos matemáticos no contexto de educação de deficientes auditivos em Belém/PA. 2007. 191f. Dissertação (Mestrado em Educação em Ciências e Matemática) – Instituto de Educação Matemática e Científica. Universidade Federal do Pará. Belém.

GÓMEZ-GRANELL, Carmen. A aquisição da linguagem: símbolo e significado. In: TEBEROSKY, Ana; TOLCHINSKI, Liliana. (Org.). Além da alfabetização: a aprendizagem fonológica, ortográfica, textual e matemática. Tradução de Stela Oliveira. São Paulo: Ática, 1997, p. 257-282.

NASCIMENTO, Paulo Roberto do. Uma proposta de formação do professor de Matemática para a educação de surdos. 2009. 89f. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências e Matemática). Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca. Rio de Janeiro.

NEVES, Maria Janete Bastos da. A comunicação em Matemática na sala de aula: obstáculos de natureza metodológica na educação de alunos surdos. 2011. 131f. Dissertação (Mestrado em Educação em Ciências e Matemática) – Instituto de Educação Matemática e Científica. Universidade Federal do Pará. Belém.

OLIVEIRA, Janine Soares de. A comunidade surda: perfil, barreiras e caminhos promissores no processo de ensino-aprendizagem em Matemática. 2005. 78f. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências e Matemática). Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca. Rio de Janeiro.

PIRES, Célia Maria Carolino. Perspectivas construtivistas e organizações curriculares: um encontro com as formulações de Martin Simon. Educação Matemática Pesquisa, São Paulo, v. 11, n. 1 p. 145-166, jan./jun. 2009.

ROCHA, Marisa Lopes da; AGUIAR, Katia Faria de. Pesquisa-intervenção e a produção de novas análises. Psicologia: Ciência e Profissão, Brasília, v. 23, n. 4, p. 64-73, dez. 2003.

SÁ, Nidia Regina Limeira de. Convite a uma revisão da pedagogia para minorias: questionando as práticas discursivas na educação de surdos. Espaço, Rio de Janeiro, n. 18/19, p. 87-93, 2003.

SALGUEIRO, Nilton Cesar Garcia. Como estudantes do ensino médio lidam com registros de representação semiótica de funções. 2011. 132f. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências e Educação Matemática) – Centro de Ciências Exatas. Universidade Estadual de Londrina. Londrina.

SÃO PAULO (Município). Secretaria Municipal de Educação. Diretoria de Orientação Técnica. Caderno de Apoio e Aprendizagem: Matemática, 8º ano, Livro do Professor. São Paulo: SME/DOT, 2014.

SHULMAN, Lee S. Knowledge and teaching: foundations of a new reform. Harvard Educational Review, v. 57, n. 1, p. 1-22, apr. 1987.

SHULMAN, Lee S. Those who understand: knowledge growth in teaching. Educational Researcher, v. 15, n. 4, p. 4-14, feb. 1986.

SILVA, Vilmar. Educação de surdos: uma releitura da primeira escola pública para surdos em Paris e do Congresso de Milão em 1880. In: QUADROS, Ronice Müller de. (Org). Estudos surdos I. Petrópolis: Arara Azul, 2006. p. 14-37.

SIMON, Martin A. Reconstructing Mathematics Pedagogy from a Constructivist Perspective. Journal for research in Mathematics Education, v. 26, n. 2. p. 114-145, mar. 1995.

SKLIAR, Carlos B. (Org). Educação e exclusão: abordagens socioantropológicas em Educação Especial. Mediação, 1997.

STROBEL, Karin Lilian. História da educação dos surdos. Florianópolis: UFSC, 2009.

TARDIF, Maurice. Saberes docentes e formação profissional. 13. ed. Tradução de Francisco Pereira de Lima. Petrópolis: Vozes, 2012.

Publicado

2019-05-01

Edição

Seção

Artigos