Formação profissional: contribuição para o debate da formação ambiental na graduação em Serviço Social

Thais Tavares Bernardo, Rosangela Maria Amorim Benevides-Guimarães

Resumo

Este artigo tem como objetivo refletir sobre a formação do Assistente Social a fim de identificarmos em que medida a temática ambiental está inserida nesse contexto, considerando a necessidade da mesma apresentar-se nos currículos do curso, mesmo que de forma transversal, e não ser encarada como uma área à parte da formação, voltada para o título de especialização posterior. Tem como fio condutor à relação entre sociedade e natureza, que com a ruptura do elo entre essas dimensões emergem fenômenos sociais que em interface com a dimensão ambiental requisita que o Serviço Social esteja preparado para responder às diversas manifestações da questão social suscitadas pela crise socioambiental. Realizamos uma pesquisa bibliográfica e um levantamento da matriz curricular dos cursos de Serviço Social da UFF e da oferta de disciplinas, nas páginas oficiais de divulgação da referida Universidade. Possui como base de sustentação a teoria social de Marx e aponta para o desenvolvimento de uma formação profissional que de fato prepare o assistente social para as novas demandas no contexto socioambiental. Desta forma, identificamos que nas diretrizes curriculares gerais do curso de Serviço Social não há obrigatoriedade de uma disciplina específica que contemple a formação ambiental, com isso nos deparamos com o baixo índice de produção que discutam a temática, nos permitindo supor que ainda são insuficientes os conteúdos programáticos que explicitem a compreensão dos fundamentos teórico-metodológico e ético-político, de forma a instrumentalizar profissionalmente para a realização de análises socioambientais em uma perspectiva interdisciplinar.

Palavras-chave

Formação profissional; Serviço Social; Graduação em Serviço Social

Texto completo:

Visualizar PDF

Referências

ANCELES-FREITAS, Janaína de F dos S. de; et al. Formação Ambiental de estudantes da área da saúde em instituição de ensino superior. Revbea, Revista de Educação Ambiental. São Paulo, v. 11, n. 4, 2016, p. 253-268

BRANCO, Samuel Murgel. Ecossistêmica: uma abordagem integrada dos problemas do meio ambiente. 2 ed. São Paulo: Edgard Blücher, 1999.

BORGES, Aurélio F; BOEGES, Maria dos Anjos, C. S.; REZENDE, José Luiz P. de; CAVALCANTI, Clovis (org.) Desenvolvimento e natureza: estudos para uma sociedade sustentável. São Paulo: Cortez; Recife – PE: Fundação Joaquim Nabuco, 1995.

DIAKOV, V.; KOVALEV, S. A Sociedade Primitiva. São Paulo: Global, 1982.

DURIGON, Maria do Socorro G. F. Formação ambiental dos universitários do Instituto Federal de Educação Goiano. Rev. eletrônica Mestrad. Educação Ambiental, v. 28, janeiro a junho, 2012.

ESTEVES, Cláudio J. de O. Risco e Vulnerabilidade socioambiental: aspectos conceituais. Cad. IPARDES. Curitiba, PR, v.1, n.2, p. 62-79, jul./dez., 2011.

IAMAMOTO, Marilda V. 80 anos do Serviço Social no Brasil: a certeza na frente, a história na mão. Serviço social & Sociedade, São Paulo, n. 128, Cortez, 2017.

______. A formação acadêmico-profissional no serviço social. Serviço Social & Sociedade, São Paulo, n. 120, Cortez, 2014.

______. O serviço social na cena contemporânea. In. CFESS/ABEPSS. Serviço Social: direitos sociais e competências profissionais. Brasília, CFESS/ABEPSS/Cead/UnB, 2009.

______. O Serviço Social na contemporaneidade: trabalho e formação profissional. São Paulo: Cortez, 1998.

PALMA, I.R. Análise da percepção ambiental como instrumento ao planejamento da Educação Ambiental. 2005. 83f. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Minas, Metalúrgica e de Materiais) – Escola de Engenharia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Rio Grande do Sul, 2005.

SACHS, Ignacy. Rumo à ecossocioeconomia: teoria e prática do desenvolvimento. Paulo Freire Vieira (org). São Paulo: Cortez, 2007.

SANTOS, Rúbia dos. Gestão de Desastres e política de assistência social. R. Katálysis, Florianópolis, v.15, n. 1, p. 32-40, jan./jun. 2012.

SILVA, M. das Graças. Questão Ambiental e Desenvolvimento Sustentável: Um Desafio Ético-Político ao Serviço Social. São Paulo: Cortez, 2010.

SIQUEIRA, Antenora M. da M; VALENCIA, Norma F. L. da S.; SIENA, Mariana; MALAGODI, Marco. A. (orgs). Riscos de Desastres relacionados à água: aplicabilidade de bases conceituais das ciências sociais e humanas. São Carlos: RiMa, 2015.

SOFFIATI, Artur. Literatura e ecoeducação. In: Jornal Folha da Manhã. Campos dos Goytacazes, 05 de maio de 2006.

______. Fundamentos filosóficos e históricos para o exercício da ecocidadania e da ecoeducação. In: LOUREIRO, Carlos F. B; LAYRARGUES, Philippe P. e CASTRO. Ronaldo Souza de. (orgs). Educação Ambiental: Repensando o Espaço da Cidadania. São Paulo: Cortez, 2002.

UFF. PROGRAD. Matriz Curricular. Disponível em: https://inscricao.id.uff.br/consultaMatrizCurricular.uff. Acesso em 06 de março de 2018.

VALENCIO, Norma F. L. da S. Desastres: tecnicismo e sofrimento social. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 19, n. 9, p. 3631-3644, Sept. 2014.

VALENCIO, Norma F. da S.; SIENA, Mariana; MARCHEZINI, Victor. Abandonados nos desastres: uma análise sociológica de dimensões objetivas e simbólicas de afetação de grupos sociais desabrigados e desalojados. Brasília: Conselho Federal de Psicologia, 2011.

Facebook

Visualizações do PDF:

23 views


Visualizações do Resumo:

59 views

Apontamentos

  • Não há apontamentos.