Alta social e os desafios para o serviço social na saúde pública considerações a partir da experiência de estágio

Tainá Wendt Kruger, Suleima Gomes Bredow, Deise Seibert, Caroline Morsch

Resumo

Este trabalho discute a alta social, a partir da realidade apreendida durante estágio curricular em Serviço Social no Hospital Universitário de Santa Maria/ RS. Parte-se da compreensão de que as demandas referentes aos quadros de saúde/doença devem ser aprendidas a partir da realidade histórica, pela questão social e suas expressões, que nos repercutem em diversos níveis de complexidade da saúde, compreendidas assim, pelo conceito ampliado de saúde. A partir do estudo e da prática de estágio, buscou-se o enfrentamento das expressões da questão social que interferiram na continuidade do tratamento, após a saída do hospital, bem como, articular a rede de serviços necessários ao acompanhamento dos usuários pós alta hospitalar, acesso a Direitos e a Políticas Públicas. Percebeu-se resistência, a organização da alta social, por conta nas iniciativas de trabalho ainda pautadas pelo conceito biomédico, uma visão fragmentada do sujeito, compreendido apenas pela ótica biológica, pautadas em critérios meramente clínicos.

Palavras-chave

Alta Social, Hospital, Serviço Social, Saúde, Questão Social

Texto completo:

Visualizar PDF

Referências

ARAÚJO, Dolores; et al. Formação de profissionais de saúde na perspectiva da integralidade. In. Revista Baiana de Saúde Pública. V.31, Supl.1.p.20-31,jun. 2007.

AROUCA, Antônio Sérgio da Silva. Democracia e Saúde. In: Anais da 8ª Conferência Nacional de Saúde. Brasília, Centro de Documentação do Ministério da Saúde, 1987.

BRAVO, M.I.S. [et al]. Saúde e Serviço Social. São Paulo: Cortez; Rio de Janeiro: UERJ, 2004.

BUSS, Paulo Marchiori; PELLEGRINI FILHO, Alberto. A saúde e seus determinantes sociais.Physis, Rio de Janeiro, v. 17, n. 1, abr. 2007 . Disponível em . Acesso em 01 Dez. 2016. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-73312007000100006.

BRASIL, Ministério da Saúde, Lei Orgânica da Saúde nº 8.080, de 19 de setembro de 1990. In: CRESS(Org). Contribuição para o Exercício Profissional de Assistentes Sociais, Coletânea de Leis. CRESS6ª Região, Belo Horizonte: CRESS, 2013.

BRASIL. Conselho Nacional de Secretários de Saúde. Assistência de Média e Alta Complexidade no SUS / Conselho Nacional de Secretários de Saúde. – Brasília : CONASS, 2007 .

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Humanização da Atenção e Gestão do SUS. Clínica ampliada e compartilhada / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Política Nacional de Humanização da Atenção e Gestão do SUS. – Brasília : Ministério da Saúde, 2009. 64 p. : il. color. – (Série B. Textos Básicos de Saúde).

BRASIL. Código de ética do/a assistente social. Lei 8.662/93 de regulamentação da profissão. – 10ª ed. rev. e atual. – (Brasília): Concelho Federal de Serviço social (2012).

CARVALHO, Maria Irene Lopes B. de. Política de saúde e de cuidados continuados integrados em Portugal. O planeamento da alta em Serviço Social. R. Katál., Florianópolis, v. 17, n. 2, p. 261-271, jul./dez. 2014.

CNDSS. Comissão Nacional sobre Determinantes Sociais da Saúde; As Causas Sociais das Iniqüidades em Saúde no Brasil. /Comissão Nacional sobre Determinantes Sociais da Saúde. – Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2008.220 p. il., tab., graf.

COSTA, M.D.H. O trabalho nos serviços de saúde e a inserção dos assistentes sociais. In: Serviço Social & Sociedade. São Paulo: Cortez, (62), 2000.

IAMAMOTO, Marilda V. O Serviço Social na contemporaneidade; trabalho e formação profissional. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2000.

MARTINELLI, Maria Lúcia. O trabalho do assistente social em contextos hospitalares: desafios cotidianos; Serv. Soc. Soc., São Paulo, n. 107, p. 497-508, jul./set. 2011.

MASFRET, D. C. O Serviço Social de saúde e o planeamento da alta para a continuidade de cuidados na comunidade. In: CARVALHO, M. I. L. B. de (Coord.). Serviço Social na saúde. Lisboa: Lidel; Pactor, p. 55-80, 2012.

______.Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Política Nacional de Humanização da Atenção e Gestão do SUS. Caderno HumanizaSUS - Atenção Básica - Vol. 2 . Disponível em: http://www.redehumanizasus.net/93777-caderno-humanizasus-atencao-basica-vol-2#sthash. Acesso 10 de Nov.2016.

NOGUEIRA, R. P. (org.). Determinação social da saúde e reforma sanitária. Rio de Janeiro: Cebes, 2010

SILVA, Talita Souza; SILVA, Aparecida Brito, Cristiani; A Atuação Do Assistente Social Em Âmbito Hospitalar; Ago 2013, n.º 10, Vol – 2, p. 36 – 40; On-line http://revista.univar.edu.br.

RAMOS; SARA AMARO; A Influência Do Planeamento Da Alta Hospitalar No Número De Dias De Internamento Do Doente; dissertação. Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias Escola de Ciências e Tecnologias da Saúde Lisboa 2015.

PASSOS, Nogueira, Roberto (Organizador), Determinação Social da Saúde e Reforma Sanitária. Rio de Janeiro: Cebes, 2010. 200p.

SOUSA, Charles Toniolo de; A prática do assistente social: conhecimento, instrumentalidade e intervenção profissional, Emancipação, Ponta Grossa, 8(1): 119-132, 2008.

TAYLOR, S. E. (2011). Social support. Em Friedman S. H. The Oxford Handbook of Health Psychology. Ed. Howard S. Friedman

VASCONCELOS, Ana Maria. A Prática do Serviço Social – cotidianas formação e alternativas na área da saúde. São Paulo: Cortez, 2002.

VIANNA, Carneiro, Lucila Amaral. Determinantes Sociais de Saúde: processo saúde doença. Una-sus | Unifesp, 2012.

Facebook

Visualizações do PDF:

227 views


Visualizações do Resumo:

590 views

Apontamentos

  • Não há apontamentos.