Elementos introdutórios sobre a emergência do Serviço Social e a divisão sexual do trabalho na realidade brasileira

Leonardo Nogueira Alves

Resumo

O Serviço Social brasileiro, ao longo de sua trajetória, é considerado uma profissão majoritariamente feminina. Essa constatação precisa ir além de uma percepção quantitativa e que apenas nos indica que a maior parte da categoria profissional é comporta por mulheres. Este artigo tem como objetivo situar os vínculos existentes entre o Serviço Social e a divisão sexual do trabalho no processo histórico de emergência da profissão a partir de elementos da inserção das mulheres no mercado de trabalho na realidade brasileira. Buscamos apresentar como a divisão sexual do trabalho interfere diretamente no mercado de trabalho das assistentes sociais, conformando tanto as habilidades exigidas quanto elementos de subalternidade diante de outras profissões.  Por meio de uma revisão da bibliografia da área e da literatura feminista marxista, consideramos que a divisão sexual do trabalho é uma categoria elementar para se desvendar o modo de inserção da profissão na divisão social do trabalho.

Palavras-chave

Serviço Social; divisão sexual do trabalho; relações patriarcais de gênero.

Texto completo:

Visualizar PDF

Referências

BARBOSA, Alexandre de Freitas. A formação do mercado de trabalho no Brasil. São Paulo: Alameda, 2008.

BARROCO, M. L. Ética e Serviço Social: fundamentos ontológicos. São Paulo: Cortez, 2010.

CHABAUD-RYCHTER; FOUGEYROLLAS-SCHWEBEL. Sobre a autonomia relativa da produção e da reprodução. In: KARTCHEVSKY, Andrée (et. al). O sexo do trabalho. Tradução de Sueli Cassal. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1986.

CISNE, Mirla. Gênero, divisão sexual do trabalho e serviço social. São Paulo: Outras Expressões, 2012.

DEVREUX, Anne-Marie. A teoria das relações sociais de sexo: um quadro de análise sobre a dominação masculina. In: Cadernos de Crítica Feminista. Ano V, N. 4 – dez. 2011.

HIRATA, Helena. Nova divisão sexual do trabalho? São Paulo: Boitempo, 2002.

HIRATA, Helena; Kergoat, Danièle. Novas configurações da divisão sexual do trabalho. Cadernos de Pesquisa, v. 37, n. 132, p. 595-609, set./dez, 2007.

IAMAMOTO, Marilda V. Renovação e Conservadorismo no Serviço Social: ensaios críticos. São Paulo: Cortez, 2008.

____________________. O Serviço Social na contemporaneidade: trabalho e formação profissional. São Paulo: Cortez, 2010.

____________________. Serviço Social em tempo de capital fetiche: capital financeiro, trabalho e questão social. São Paulo: Cortez, 2011.

IAMAMOTO, Marilda V; CARVALHO, Raul de. Relações sociais e serviço social no Brasil: Esboço de uma interpretação histórico-metodológica. 29° Edição. São Paulo: Cortez, 2009.

KERGOAT, Danièle. Divisão sexual do trabalho e relações sociais de sexo. In: HIRATA, Helena [et al.] (orgs.). Dicionário crítico do feminismo. São Paulo: Editora UNESP, 2009.

MADEIRA, F; SINGER, P. Estrutura de emprego e trabalho feminino no Brasil (1920-1970). In: Cadernos CEBRAP, nº13, 1975.

MANDEL, Ernest. O capitalismo tardio. São Paulo: Abril Cultural, 1982. (Os economistas)

MARX, Karl. O Capital: Capítulo VI (Inédito). Tradução de Eduardo S. Filho. São Paulo: Ciências Humanas LTDA, 1978.

__________. Trabalho assalariado e capital & salário, preço e lucro. São Paulo: Expressão Popular, 2006.

__________. O Capital: crítica da economia política: Livro I: o processo de produção do capital. Tradução de Rubens Enderle. São Paulo: Boitempo, 2013.

MARX, K; ENGELS, F. A ideologia alemã: crítica da mais recente filosofia alemã em seus representantes Feuerbach, B. Bauer e Stiner, e do socialismo alemão em seus diferentes profetas. Tradução de Rubens Enderle, Nélio Schneider, Luciano C. Martorano. São Paulo: Boitempo, 2007.

NETTO, José Paulo. Capitalismo Monopolista e Serviço Social. 7° Edição. São Paulo: Cortez, 2009.

SAFFIOTI, Heleieth. A mulher na sociedade de classes: realidade e mito. São Paulo: Expressão Popular, 2013. [Originalmente publicado em 1969]

SIMÕES, Pedro. Assistentes sociais no Brasil: um estudo a partir das Pnads. Rio de Janeiro: E-papers, 2012.

SINGER, Paul. Economia política do trabalho. São Paulo: Hucitec, 1977.

SOUZA, Vanessa B; VELOSO, Renato. Gênero e Serviço Social: desafios a uma abordagem crítica. São Paulo: Saraiva, 2015.

SOUZA-LOBO, Elisabeth. A classe operária tem dois sexos: trabalho, dominação e resistência. São Paulo: Perseu Abramo, Secretaria Municipal de Cultura e Brasiliense, 2011.

VELOSO, Renato. Gênero e Serviço Social: um balanço crítico-bibliográfico. Rio de Janeiro: UFRJ/ESS, 2000. 306p. Dissertação de Mestrado.

Facebook

Visualizações do PDF:

108 views


Visualizações do Resumo:

132 views

Apontamentos

  • Não há apontamentos.