O LIMITE DA EXPOSIÇÃO DO MUNDO EM SENTIDO FENOMENOLÓGICO A PARTIR DA TESE SOBRE “A POBREZA DE MUNDO DO ANIMAL”

João Evangelista Fernandes

Resumo

Resumo: O objetivo deste artigo é mostrar como, no curso de 1929/30, Os conceitos fundamentais da metafísica: mundo finitude e solidão, Heidegger expõe e defende, mediante a tese sobre a pobreza de mundo do animal, o mundo em sentido fenomenológico-transcendental como constitutivo ontológico do ser-aí que, enquanto ser-no-mundo e, portanto, formador de mundo (Weltbildend), difere radicalmente do animal que, enquanto pobre de mundo (Weltarm), não tem acesso ao ente enquanto ente e, por isso, é excluído da abertura do ser. Heidegger pretende, além de estabelecer um abismo entre o homem e o animal, demonstrar o mundo como um tema fundamental da metafísica, enquanto evento que ocorre no ser-aí e sua finitude e transcendência. No entanto, o limite da tese sobre a pobreza de mundo, seja pela inacessibilidade da vida em si mesma, seja pelo antropocentrismo latente no privilégio do ser-aí, leva Heidegger a, paulatinamente, abandonar a tese da pobreza de mundo do animal, de modo que, depois da viragem (Kehre), o animal passa a ser caracterizado como sem mundo. O artigo termina com a leitura de Agamben, cuja peculiaridade, sobretudo no modo como interpreta uma suposta proximidade entre a essência da animalidade, enquanto perturbação (Benommenheit), com o tédio profundo (der tiefen Langweile), enquanto tonalidade afetiva fundamental do ser-aí, além de denunciar o antropocentrismo nas análises de Heidegger e propor o que ele denomina de suspensão da suspensão da dicotomia entre homem e animal, aponta para os desdobramentos dessa problemática no pensamento de Heidegger depois da viragem.

Palavras-chave

Palavras-chave: Mundo, pobreza de mundo, mundo animal, transcendência, metafísica.

Texto completo:

PDF

Referências

AGAMBEN, G. Infância e história: destruição da experiência e origem da história. trad. Henrique Burigo. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2005.

____________. A linguagem e a morte: um seminário sobre o lugar da negatividade. Trad. Henrique Burigo. Belo horizonte: Editora UFMG, 2006a.

____________. Lo abierto: el hombre y el animal. Trad. Flávia Costa e Edgardo Castro. Buenos Aires: Adriana Hidalgo editora, 2006b.

BAILEY, Christiane. “La vie végétative des animaux: La destruction heideggériene de l’animalité comme réduction biologique”. In: PhaenEx. 2, nº2, 2007, pp.81-123.

HAAR, M. Le Chant de la Terre: Heidegger et les assises de l’histoire de l’être. Paris: Éditions de l’Herne, 1985.

HEIDEGGER, M. Wegmarken. Vittorio Klostermann – Frankfurt am Main, 1976.

____________. Sein und Zeit. Vittorio Klostermann – Frankfurt am Main, 1977.

____________. Die Grundbegriff der Metaphysik: Welt – endlichkeit – Einsamkeit. Vittorio Klostermann GmbH – Frankfurt am Main, 1983.

______________. Conferências e Escritos Filosóficos. Trad. Ernildo Stein. São Paulo: Editora Nova Cultural, 1996.

____________. Marcas do caminho. Trad. Enio Paulo Giachini e Ernildo Stein. Petrópolis: Vozes, 2008.

______________. Ser e Tempo. Trad. Marcia de Sá Cavalcante Schuback; posfácio de Emmanuel Carneiro Leão. 10.ed. Petrópolis: Vozes, 2015a.

_____________. Os conceitos fundamentais da metafísica: mundo, finitude, solidão. Trad. Marco Antônio Casanova. 2.ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2015b.

JARAN, F. La métaphysique du Dasein dans l’oeuvre de Martin Heidegger. Repenser l’essence de la métaphysique à partir de la liberté humaine. Montreal-Canadá. 324p. [Tese de Doutorado] - Université de Montréal: Département de Philosophie Faculté des Arts et des Sciences, 2006.

ROMANO, Claude. “Le monde animal: Heidegger et von Uexküll”. In: JOVILET, S.; ROMANO, C. (éd). Heidegger en dialogue 1912-1930. Paris: J. Vrin, 2009, pp.255-298.

VALENTIM, M.A. Fora do mundo: lugar e sentido da não-humanidade na ontologia fundamental. Discurso: Departamento de FFLCH DA USP, v.46, p.287-333, 2016.

Facebook

Visualizações do PDF:

26 views


Visualizações do Resumo:

26 views

Apontamentos

  • Não há apontamentos.