A “liberdade” na Itália de Maquiavel

Carlos Eduardo Ruas Dias

Resumo

Resumo

 A ideia de liberdade representa um elemento central no pensamento renascentista. Desde os fins da Idade Média, os pensadores políticos dedicaram-se a conferir à política o status de uma categoria autônoma, nesse mesmo movimento, a definição do conceito de liberdade ganha destaque na cena do pensamento político, sobretudo em Florença. Os autores do Humanismo Cívico iniciaram a apologia da liberdade florentina como o fator primordial a ser defendido, já que, naquele momento histórico, entre os séculos XIV e XV, o Duque de Milão ameaçava com suas tropas a segurança institucional da cidade. O risco da perda da liberdade política garantida pelas instituições republicanas, moveu os florentinos a defender com ainda mais vigor a república. Nesse contexto, a defesa das instituições republicanas representou elemento fundamental para a coesão do povo, pois acentuou o seu caráter cívico e lhes proporcionou uma causa pela qual se deveria lutar. Assim, a liberdade foi compreendida como a independência política do Estado e a possibilidade de o cidadão tomar parte nas decisões do governo, por isso a guerra contra o Duque de Milão representava muito mais do que um mero conflito entre dois Estados e o povo florentino viu tal evento com mais gravidade, na derrota residia a possibilidade do fim da liberdade que lhes era tão cara. Maquiavel é herdeiro dessa tradição de pensamento, desenvolve a sua teoria acerca da liberdade rompendo com a tradição Humanista e inaugurando uma nova forma de analisar o vivere libero. Então, para melhor compreender a filosofia maquiaveliana, faz-se necessário entender o seu contexto, por isso propomos a análise do desenvolvimento da ideia de liberdade ao longo do Renascimento bem como as influências desse ambiente no pensamento maquiaveliano.

 

Palavras-chave: Maquiavel; Liberdade; República; Política; Renascimento.

 

Abstract

The idea of freedom represents a core element in Renaissance thought. Since the end of the Middle Ages, political thinkers have dedicated themselves to give to politics the status of an autonomous category. In this same movement, the definition of the concept of freedom is highlighted in the scene of political thought, especially in Florence. The authors of Civic Humanism initiated the apology of Florentine liberty as the primary factor to be defended, since, at that historical moment, between the fourteenth and fifteenth centuries, the Duke of Milan threatened the institutional security of the city with his troops. The risk of losing the political freedom, guaranteed by the republican institutions, moved the Florentines to defend with even more vigor the republic. That way, the defense of the republican institutions represented a fundamental element for the cohesion of the people, since it emphasized their civic character and provided them with a cause to fight. Therefore, freedom starts to be understood as the political independence of the State and the possibility of the citizen to take part in the decisions of the government. So the war against the Duke of Milan represented much more than a mere conflict between two States, the Florentine people saw such event with more gravity, in defeat lay the possibility of the end of the freedom that was so dear to them. Machiavelli is heir to this tradition of thought, develops his theory of freedom by breaking with the Humanist tradition and inaugurating a new way of analyzing the vivere libero. Thus, in order to understand better the Machiavellian philosophy, it is necessary to understand its context, so we propose the analysis of the development of the idea of freedom throughout the Renaissance as well as the influences of this environment in Machiavellian thought.

 

Keywords: Machiavelli; Freedom; Republic; Politics; Renaissance.

Palavras-chave

Maquiavel; Liberdade; República; Política; Renascimento

Texto completo:

Visualizar PDF
Facebook

Visualizações do PDF:

23 views


Visualizações do Resumo:

70 views

Apontamentos

  • Não há apontamentos.