Como diferentes grupos resolvem problemas combinatórios condicionais e não-condicionais?

Ewellen Tenorio de Lima, Dacymere da Silva Gadelha, Rute Elizabete de Souza Rosa Borba

Resumo

O presente estudo foi desenvolvido coletivamente junto a estudantes de Pedagogia e buscou investigar o desempenho, apresentado por oito grupos distintos, no que diz respeito à resolução de problemas combinatórios condicionais e não-condicionais. O instrumento de coleta utilizado foi composto por oito situações-problema, sendo duas de cada tipo de problema combinatório – produto cartesiano, arranjo, permutação e combinação – uma condicional e outra não. A existência das condições foi percebida e levada em consideração pela maioria dos participantes. Os problemas de produto cartesiano apresentaram maior número de acertos nos diferentes grupos pesquisados, enquanto nos de combinação foram obtidos os menores percentuais de acertos. Além disso, o desempenho foi superior nos problemas condicionais em todos os grupos. Atribui-se esse resultado à existência de maior número de possibilidades nos problemas não-condicionais e ao amplo uso de estratégias informais, como a listagem, que dificultou o esgotamento das possibilidades.

Palavras-chave

Educação Matemática. Combinatória. Problemas Condicionais. Problemas Não-condicionais.

Texto completo:

Visualizar PDF

Referências

BÉLAIR, Louise. Formação para a complexidade do ofício de professor. In: PAQUAY, Léopold, PERRENOUD, Philippe; ALTET, Marguerite; CHARLIER, Évelyne. Formando professores profissionais: quais estratégias? Quais competências? Porto Alegre: Artmed, 2001.

BORBA, Rute. Antes cedo do que tarde: o aprendizado da combinatória no início da escolarização. Anais do Encontro de Combinatória, Estatística e Probabilidade dos Anos Iniciais. In: ENCONTRO DE COMBINATÓRIA, ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE DOS ANOS INICIAIS, 2016, Recife. Anais do ENCEPAI. Recife: UFPE, 2016, p. 1-15.

BORBA, Rute; ARAÚJO, Ana Cristina; BRAZ, Flávia Myrella. A compreensão por alunos do Ensino Médio de problemas combinatórios condicionais. In: ENCONTRO NACIONAL DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA, 2013, Curitiba. Anais do IX ENEM: Educação Matemática – retrospectivas e perspectivas, PUC-PR, SBEM, 2013, p. 1-16.

BORBA, Rute; BRAZ, Flávia Myrella. O que é necessário para se compreender problemas combinatórios condicionais. In: SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE PESQUISAS EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA, 2012, Fortaleza. Anais do III SIPEMAT. Fortaleza: UFC, UECE, 2012.

BORBA, Rute; ROCHA, Cristiane; AZEVEDO, Juliana. Estudos em raciocínio combinatório: investigações e práticas de ensino na educação básica. Bolema, Rio Claro, v. 29, n. 53, p. 1348-1368, dez. 2015. DOI: 10.1590/1980-4415v29n53a27.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra. 1996.

GUIMARÃES, Gilda; BORBA, Rute. Professores e graduandos de pedagogia valorizam e vivenciam processos investigativos? Revista Tópicos Educacionais, Recife, v. 17, n. 1-3, p. 61-90, 2007.

MORGADO, Augusto César; CARVALHO, João Bosco Pitombeira de; PINTO; Paulo César de Carvalho; FERNANDEZ, Pedro. Análise combinatória e probabilidade. Rio de Janeiro: Graftex, 1991.

NÓVOA, Antônio. O professor pesquisador e reflexivo. Entrevista concedida em 13 de setembro de 2001. Disponível em: http://www.tvebrasil.com.br/salto/entrevistas/antonio_novoa.htm; acesso em 22 abr. 2017.

PESSOA, Cristiane; BORBA, Rute. Quem dança com quem: o desenvolvimento do raciocínio combinatório de crianças de 1ª a 4ª série. Zetetiké, Campinas, v. 17, n. 31, p. 105-150, dez. 2009.

VERGNAUD, Gérard. A teoria dos campos conceptuais. In: BRUM, Jean. (Org.). Didáctica das Matemáticas. Lisboa: Horizontes Pedagógicos, 1996, p. 155-191.

VERGNAUD, Gérard. Psicologia do desenvolvimento cognitivo e didáctica das matemáticas – um exemplo: as estruturas aditivas. Análise Psicológica, v. 5, n. 1, p. 75-90, 1986.

Apontamentos

  • Não há apontamentos.