Estágios supervisionados no processo de formação dos professores: O que dizem as diretrizes curriculares nacionais

Rosana Cassia Rodrigues Andrade

Resumo

RESUMO:

Embora o estágio na formação de professores venha sendo objeto de muitas pesquisas, não se percebe resultados significativos desses estudos na dinâmica de seu desenvolvimento nas universidades. Nesse sentido, pode-se afirmar que o estágio curricular clama por novos sentidos o que tem instigado os pesquisadores a novas buscas. No contexto dessa problemática emergiu a questão orientadora dessa pesquisa: o que   revelam os documentos legais instituídos pelo MEC – Ministério da Educação e Cultura, e pelo CNE – Conselho Nacional de Educação sobre o estágio supervisionado na formação do professor para atuar na educação básica?  .Nessa busca objetivamos analisar as políticas públicas de formação de professores, instituídas pelo MEC eregulamentadas pelas Resoluções CNE/CP 1 e CNE/CP 2 em 18 e 19 de fevereiro de 2002.e pela  Resolução nº 2, de 1º de julho de 2015. Optamos por uma abordagem qualitativa de investigação realizando pesquisa bibliográfica e documental. O estudo fundamentou-se, essencialmente, nos autores: Pimenta (2001) Pimenta e Lima (2004), Campos (2006) Constata-se  que os instrumentos legais que atualmente regulam os cursos de formação de professores apresentam propostas de prática ao longo do processo de formação, Assim, o estágio supervisionado não se constitui como um momento isolado, mas assume o compromisso de articular teoria e prática, possibilitando a participação direta e efetiva do estagiário no contexto da escola. O estágio supervisionado e a prática de ensino trazem de forma recorrente a reflexão como fio condutor e são considerados como um espaço de pesquisa na perspectiva interdisciplinar de intervenção/transformação, visando favorecer o conhecimento da realidade do profissional docente a partir da problematização, teorização, reflexão, intervenção e redimensionamento da ação

Palavras-chave

Palavras-Chave: Estágio Supervisionado; Diretrizes curriculares; Teoria Prática; Formação Inicial de Professores.

Texto completo:

Visualizar PDF

Referências

REFERÊNCIAS:

BRASIL. Lei n.º 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da Educação nacional. Disponível em < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/ l9394.htm>Acesso em 10.02.2015

BRASIL. Parecer nº 9/2001, de 08.05.2001. Diretrizes Curriculares Nacionais para a

Formação de Professores da Educação Básica, em nível Superior, curso de licenciatura, de graduação Plena. Conselho Nacional de Educação. Disponível em Acesso em 06.05.2015

BRASIL. Parecer no CNE/CP 28/2001, aprovado em 02/10/2001, dá nova redação ao Parecer CNE/CP 21/2001 que estabelece a duração e a carga horária dos cursos de Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Disponível em Acesso em 06.05.2008.

BRASIL. Resolução CNE/CP 01/2002, que institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, em cursos de licenciatura de graduação plena. Disponível em Acesso em 06.05.2015.

BRASIL. Resolução CNE/CP 02/2002, institui a duração e a carga horária dos cursos de Licenciatura, de graduação plena, de formação de professores da Educação Básica em nível Superior. Disponível em Acesso em 06.05.2016.

BRASIL. Resolução CNE/CP 02/2015. Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior e para a formação continuada. http://ced.ufsc.br/files/2015/07/RES-2-2015-CP-CNE-Diretrizes-Curriculares-Nacionais-para-a-forma%C3%A7%C3%A3o-inicial-em-n%C3%ADvel-superior.pdf. Acesso dia 17 de outubro de 2015.

BRASIL. Plano Nacional de Educação (PNE). Lei nº 13.005, de 25 de junho de 2014. Brasília: Câmara dos Deputados, Edições Câmara, 2014. 86 p. – (Série legislação; n. 125) http://www.observatoriodopne.org.br/uploads/reference/file/439/documento-referencia.pdf.

Acesso em 20 de outubro de 2015

BRASIL Ministério da Educação e Cultura. Conselho Nacional de Educação. Parecer CNE/CES nº 15, 02 de fevereiro de 2005. Solicitação de esclarecimento sobre as Resoluções CNE/CP nºs 1/2002, que institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena, e 2/2002, que institui a duração e a carga horária dos cursos de licenciatura, de graduação plena, de Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior. Brasília: 2005.

CAMPOS, Márcia Zendron. A prática nos cursos de licenciatura: reestruturação curricular na formação inicial. São Paulo 2006. P. 160. TESE DE (Doutorado). PUS/SP

PIMENTA, Selma Garrido. O Estágio na Formação de Professores: unidade teoria e prática? 4° ed. São Paulo: Cortez, 2001.

PIMENTA, Selma Garrido, 1943. Didática e formação de professores: percursos e perspectivas no Brasil e em Portugal. São Paulo: Cortez, 1999, p. 255.

PIMENTA, Selma Garrido; LIMA, Maria Socorro. Estágio e docência. São Paulo: Cortez, 2004.

Facebook

Visualizações do PDF:

87 views


Visualizações do Resumo:

191 views

Apontamentos

  • Não há apontamentos.