Indicadores georreferenciados de qualidade de vida urbana: Possibilidades para o planejamento urbano

Isabela Veloso Lopes Versiani

Resumo

O presente artigo tem como objetivo aprofundar o debate acerca da emergência do tema da qualidade de vida vinculado ao meio urbano e de suas possibilidades para o planejamento urbano. De caráter exploratório, através de pesquisa bibliográfica e documental, o artigo procura delimitar marcos conceituais sobre a qualidade de vida e sua relação com um novo modelo de planejamento urbano a partir do paradigma do desenvolvimento social e de diretrizes do Estatuto da Cidade (2001), além de discutir formas de operacionalização desse conceito tendo como base algumas experiências de construção de sistemas de indicadores de qualidade de vida urbana no Brasil. Como resultados, evidencia-se que a preocupação com a qualidade de vida tem sido expressão recorrente nos debates sobre o presente e futuro das cidades, ganhando espaço e legitimidade a partir de um esforço de delimitação conceitual e de instrumentos para sua mensuração, destacando a contribuição de indicadores georreferenciados para melhor compreensão de desigualdades intraurbanas em diversas áreas. Acredita-se que a incorporação dessa discussão ao planejamento urbano pode contribuir de maneira significativa para pensar e operacionalizar instrumentos que auxiliem no direcionamento de ações e efetivação de políticas públicas para melhoria das condições de vida da população.  

Palavras-chave

indicadores, georreferenciamento, qualidade de vida urbana

Texto completo:

Visualizar PDF

Referências

DOI: http://dx.doi.org/10.22238/rc24482692v14n12016p191a214

BRASIL. Congresso Nacional. Lei n. 10.257 de 10 de julho de 2001(Estatuto da Cidade). Regulamenta os arts. 182 e 183 da Constituição Federal, estabelece diretrizes gerais da política urbana e dá outras providências. Disponível em: . Acesso em: Maio, 2008.

CÂMARA, Gilberto; DAVIS, Clodoveu. Apresentação.In:________; _________; MONTEIRO, Miguel (Orgs.) Introdução à Ciência da Geoinformação. 2001. Disponível em: . Acesso em Jun., 2016.

CARVALHO, S. N. de. Condicionantes e Possibilidades Políticas do Planejamento Urbano. In: VITTE, C. C. S.; KEINERT, T. M. M.(Orgs.) Qualidade de Vida, Planejamento e Gestão Urbana: discussões teórico-metodológicas. Rio de Janeiro, Bertrand Brasil, 2009. p.21-67.

HERCULANO, Selene. A qualidade de vida e seus indicadores. In: Revista Ambiente e Sociedade, Campinas, UNICAMP/NEPAM, Ano I, nº2, 1º semestre de 1998. p.01-24.

JANUZZI, Paulo. Repensando a prática de uso de indicadores sociais na formulação e avaliação de políticas públicas municipais. In: KEINERT, Tânia; KARRUZ, Ana Paula (Orgs.) Qualidade de Vida: observatórios, experiências e metodologias. São Paulo: Annablume: Fapesp, 2002. p.53-71.

__________, Indicadores Sociais no Brasil: conceitos, fontes de dados e aplicações. 4. ed. Campinas, SP: Editora Alínea, 2009. 141 p.

KARRUZ, Ana Paula; KEINERT, Ruben; KEINERT, Tânia. O processo de construção do Observatório de Qualidade de Vida de Santo André: identificação e superação de desafios. In: KEINERT, Tânia; KARRUZ, Ana Paula (Orgs.) Qualidade de Vida: observatórios, experiências e metodologias. São Paulo: Annablume: Fapesp, 2002. p.95-105.

KOGA, Dirce. Medidas de Cidades: entre territórios de vida e territórios vividos. São Paulo: Cortez, 2003. 299 p.

LEFÈBVRE, Henri, Espaço e Política. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2008 (1972). 192 p.

LEITE, Marcos. Geoprocessamento aplicado ao estudo do espaço urbano: o caso da cidade de Montes Claros. 2006, 106f. Dissertação (Mestrado em Geografia). Programa de Pós-Graduação em Geografia. Universidade Federal de Uberlândia. Uberlândia, 2006.

MARICATO, Ermínia. Metrópole, legislação e desigualdade. Estudos Avançados, São Paulo, v. 17, n. 48,Ago. 2003. Disponível em: Acesso em: 25 nov. 2010.

MARQUES, Renato. Esporte e Qualidade de Vida: reflexão sociológica. 2007. 160f. Dissertação (Mestrado em Educação Física) – Faculdade de Educação Física. Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2007.

NAHAS, Maria Inês. Qualidade de vida urbana em números. ComCiência (UNICAMP), v.96, p.96, 2008.

_________, Indicadores Intra-Urbanos como instrumentos de gestão da qualidade de vida urbana em grandes cidades: uma discussão teórico-metodológica. In: VITTE, Claudete; KEINERT, Tânia(Orgs.) Qualidade de Vida, Planejamento e Gestão Urbana: discussões teórico-metodológicas. Rio de Janeiro, Bertrand Brasil, 2009. p.123-153.

RIBEIRO, Ângela; MELLO, Terezana. Aferindo qualidade de vida: a experiência de Curitiba. In: KEINERT, Tânia; KARRUZ, Ana Paula (Orgs.). Qualidade de Vida: observatórios, experiências e metodologias. São Paulo: Annablume: Fapesp, 2002. p.179-187.

SOUZA, Marcelo. Mudar a cidade: uma introdução crítica ao planejamento e à gestão urbanos. 5.ed. Rio de Janeiro: Bertrand, 2008. 560 p.

VILLAÇA, Flávio. Espaço intra-urbano no Brasil. São Paulo: Studio Nobel, 1998. 376 p.

VITTE, Antônio. Modernidade, Território e Sustentabilidade: refletindo sobre qualidade de vida. In: VITTE, Claudete; KEINERT, Tânia (Orgs.) Qualidade de Vida, Planejamento e Gestão Urbana: discussões teórico-metodológicas. Rio de Janeiro, Bertrand Brasil, 2009. p.111- 122.

VITTE, Claudete. Planejamento urbano, sustentabilidade urbana e qualidade de vida: considerações sobre o significado de cidade e de cidadania no início do século XXI. In: KEINERT, Tânia; KARRUZ, Ana Paula (Orgs.) Qualidade de Vida: observatórios, experiências e metodologias. São Paulo: Annablume: Fapesp, 2002. p.21- 38.

VITTE, Claudete; KEINERT, Tânia. Apresentação. In: _________(Orgs.) Qualidade de Vida, Planejamento e Gestão Urbana: discussões teórico-metodológicas. Rio de Janeiro, Bertrand Brasil, 2009. p. 09-11.

YUAN, Lim; YUEN, Belinda; LOW, Christine. Quality of life in cities – Definition , Approches and Research. In :__________, Urban Quality of Life : critical issues and options. Singapura, National University of Singapore, 1999. p.01- 12.

Facebook

Visualizações do PDF:

168 views


Visualizações do Resumo:

257 views

Apontamentos

  • Não há apontamentos.