O crescimento canavieiro no município de Rio Brilhante-MS e os impactos ambientais causados pela queima da palha da cana-de-açúcar (2001 a 2010)

Thiago Henrique Britts, Walter Guedes da Silva, Mateus Boldrine Abrita

Resumo

O objetivo desse trabalho é analisar o processo de expansão da cana-de-açúcar no município de Rio Brilhante-MS, correlacionando esse crescimento com os impactos ambientais causados pela técnica de facilitação da colheita manual com a queima da palha da cana-de-açúcar. Para compreendermos o processo expansionista canavieiro, analisamos os incentivos do governo estadual e do governo federal, por meio do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social, Fundo Constitucional do Centro-Oeste e pelo Programa de Aceleração do Crescimento. Também foram analisados dados estatísticos de órgãos públicos, entidades e intuições da área. Como considerações, foi possível demonstrar que a queima da palha da cana-de-açúcar se tornou um dos fatores que, acompanhados dos aspectos sociais e ambientais, decorrentes do processo de expansão dessa monocultura no Estado, ocasionou várias formas de degradação ambiental com alto potencial de risco a fauna e flora, além de ser prejudicial ao próprio ser humano, gerando consequências como: invasão de Biomas e as Áreas de Preservação Permanente ou de Preservação Ambiental, além da contaminação dos recursos hídricos, dos solos e poluição do ar, dando indícios que os ganhos econômicos muitas vezes se sobrepõem a um ambiente saudável.

Palavras-chave

Cana-de-açúcar; Impactos Ambientais; Rio Brilhante; Queima da palha.

Texto completo:

Visualizar PDF

Referências

DOI: http://dx.doi.org/10.22238/rc24482692v14n12016p58a76

ANDRADE, L. A. B. Efeitos da incorporação de Crotalaria juncea L. sobre algumas características do solo e do desenvolvimento inicial da cana-de-açúcar (Saccharum spp.). 1982. 49f. (Dissertação de Mestrado). Piracicaba, 1982.

BACKES, Thaine Regina. O Capital Agroindustrial Canavieiro no Mato Grosso do Sul e a Internacionalização da Produção. 2009. 195f. (Dissertação de Mestrado), Universidade Federal da Grande Dourados. Dourados, 2009.

BRASIL. Casa Civil. DECRETO N° 6.514, de 22 de julho de 2008, Presidência da República. Dispõe sobre as infrações e sanções administrativas ao meio ambiente, estabelece o processo administrativo federal para apuração destas infrações, e dá outras providências. Brasília.

BIOSUL – Associação dos Produtores de Bioenergia de Mato Grosso do Sul. Disponível em: . Acesso em: 25/04/2013.

BONILHA, R. P. Queima da palha da cana-de-açúcar: Questões jurídicas e sócio-econômicas. 76f. (Monografia). Faculdade de Direito de Presidente Prudente. Presidente Prudente, 2007.

BRASIL. IPEA. Agropecuária. Disponível em: . Acesso em: 08/06/2016.

CÂMARA MUNICIPAL DE RIO BRILHANTE. LEI N° 1.532, de 17 de junho de 2008. Dispõe sobre emprego do fogo como método despalhador e facilitador do corte de cana-de-açúcar e dá outras disposições. Rio Brilhante, 2008.

CAMPOS, N. L. Expansão canavieira e impactos sócio-espaicais da produção de agrocombustível no triangulo mineiro (1980-2011). 2011. 111f. (Monografia). Instituto de Geografia de Uberlândia. Uberlândia, 2011.

CANASAT. Monitoramento da cana-de-açúcar. Disponível em: Acesso em: 01/04/2013.

CONAB – Companhia Nacional de Abastecimento. Terceiro Levantamento de 2009. Cana. Brasília, 2009.

CONAB – Companhia Nacional de Abastecimento. Perfil do setor do açúcar e do álcool no Brasil. Edição para a safra 2008-2009. Brasília: MAPA, 2010.

CONAB – Companhia Nacional de Abastecimento. Acompanhamento da safra brasileira, cana-de-açúcar, safra 2010/2011. Terceiro Levantamento, 2011.

DIÁRIO MS. Economia. Disponível em: . Acessado em: 12/09/2014.

DOMINGUES, A. T. A territorialização do grupo agroindustrial canavieiro Louis Dreyfus no Mato Grosso do Sul. 2010. 84f. Dissertação (Mestrado em Geografia). Universidade Federal da Grande Dourados. Dourados, 2010.

DUARTE, F. G. A expansão da Produção Canavieira e as Transformações Socioeconômicas e Ambientais em Rio Brilhante/MS: Diferentes Olhares. 2011. 187f. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Sustentável). Universidade de Brasília. Brasília, 2011.

GEWANDSZNAJDER, Fernando. A vida na terra. São Paulo: Ática, 2002.

GOMES, M. J. M. Ambiente e pulmão. Jornal de Pneumologia. 2002. Disponível em: . Acesso em: 03/11/2013.

GOULART, Marcelo Pedroso. Queima da Palha da Cana-de-açúcar. In: BENJAMIN, Antonio Herman (Org.). Manual prático da promotoria de justiça do meio ambiente. 2ª. Ed. São Paulo: IMESP, 1999.

GOVERNO DO ESTADO DO MATO GROSSO DO SUL. LEI N° 3.404, de 30 de julho de 2007. Dispõe sobre a localização de estabelecimentos industriais para a produção de açúcar e álcool carburante, para fins de fruição de incentivos ou benefícios fiscais, e dá outras providências. Campo Grande.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Produção Agrícola Municipal. Brasília, 2013. Disponível em: . Acesso em: 10/10/2015.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Séries Históricas e Estatísticas. Disponível em: . Acesso em: 18 de novembro de 2015.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Produção agrícola municipal: culturas temporárias e permanentes. V. 37. Rio de Janeiro: IBGE, 2010.

LIMA, A. Araken. Expansão da agroindústria canavieira no período do Proálcool (1975-1989): o caso alagoano. Economia política do desenvolvimento. Vol. 1, n. 2, p. 41-64, mai./ago. Maceió, 2008.

MÜLLER, G. Agricultura e industrialização do campo no Brasil. Revista de Economia Política. São Paulo, abril-junho de 1982, p. 47-77.

ODEBRECHT. Matérias. Disponível em: . Acessado em: 12/09/2014.

PAREDES JUNIOR, F. P. Bioindicadores de qualidade do solo em cultivos de cana-de-açúcar sob diferentes manejos. 85f. Dissertação (mestrado em agronomia). Universidade Estadual do Mato Grosso do Sul. Aquidauana, 2012.

REPORTER BRASIL. O Brasil dos agrocombustíveis. Cana 2008, Impactos das lavouras sobre a terra, o meio e a sociedade. 2008. Disponível em: . Acessado em: 12/09/2014.

RODRIGUES, Euripedes Bomfim; SAAB, Otavio Jorge Grigoli Abi. Avaliação técnico-econômica da colheita manual e mecanizada da cana-de-açúcar (saccharum spp) na região de Bandeirantes – PR. Semina: Ciências Agrárias. Londrina. V. 28, n. 4, out./dez. 2007, p. 581-588.

ROSEIRO, M. N. V. Morbidade por problemas respiratórios em Ribeirão Preto-SP de 1995 a 2001. Revista Brasileira de Ciências da Saúde. Ano III, n. 14, out/dez 2007, p. 163-170.

SANTOS, Milton. Espaço e Método. 5ª ed. São Paulo: EDUSP, 2008a.

SANTOS, Milton. Técnica, Espaço, Tempo: Globalização e Meio Técnico – Cientifico – Informacional. 5ª ed. São Paulo: EDUSP, 2008b.

SANTOS. J. C. Dos Canaviais à “etanolatria”: o (re) ordenamento territorial do capital e do trabalho no setor sucroalcooleiro da Microrregião Geográfica de Presidente Prudente – SP. 2009. 174f. (Tese Doutorado). Instituto de Geografia, UFU: Uberlândia, 2009.

THOMAZ JÚNIOR, A. Por trás dos canaviais os (nós) da cana. A relação capital x trabalho e o movimento sindical dos trabalhadores na agroindústria canavieira paulista. São Paulo: Annablume/FAPESP, 2002.

ÚNICA. União da Indústria de Cana-de-açúcar. Disponível em: http://www.unica.com.br. Acesso em: 22/11/2013.

ZAMPERLINI, Gisele Cristina Marcomini. Investigação da fuligem proveniente da queima da cana-de-açúcar com ênfase nos hidrocarbonetos policíclicos aromáticos. 1997. 83f. Dissertação (Mestrado em Química). UNESP: Araraquara, 1997.

Facebook

Visualizações do PDF:

147 views


Visualizações do Resumo:

249 views

Apontamentos

  • Não há apontamentos.