DE PERTO E POR DENTRO DO RINGUE – BOXE, MOBILIDADE E OS DESAFIOS DE UMA ETNOGRAFIA ONDE “É O MOVIMENTO QUE CONTA” / FROM NEAR AND WITHIN THE RING - BOXING, MOBILITY AND THE CHALLENGES OF AN ETHNOGRAPHY WHERE "IT IS THE MOVEMENT THAT COUNTS"

Michel de Paula Soares

Resumo

O presente artigo apoia-se em uma etnografia em duas academias de boxe na cidade de São Paulo, localizadas em diferentes territórios – Baixada do Glicério e Tatuapé. Para isso, coloco meu próprio corpo em campo como ferramenta de investigação através da aprendizagem do pugilismo. Acompanho e me interesso pelas trajetórias e histórias de vida de meus interlocutores, em sua maioria homens negros em distintas condições de mobilidade, cidadania e vulnerabilidade, entre eles os angolanos Leon e Jonas. Pretendo demonstrar como, transitando entre as categorias “perigoso” e “em perigo”, entre a vitimização e a moral meritocrática, eles apresentam múltiplas maneiras de fazer-cidade (Agier, 2015) através de seus corpos-território. Além disso, é através das aulas de boxe que uma série de memórias e relatos autobiográficos são expostos por meus companheiros de treino, assim como reflexões sobre raça, violência e desigualdade. Desta maneira, busco apresentar minha própria trajetória de pesquisa, ressaltando alguns procedimentos para o estudo das migrações internacionais ancoradas no eixo sul-sul, mais especificamente as relações de mobilidade entre Brasil e Angola. O mundo do boxe envolve uma emaranhada e complexa trama política-social, justapondo masculinidades conflitantes e contraditórias, significados sobre racismo e violência, disciplina e sacrifício, espaços urbanos e fronteiras simbólicas, resultando em dinâmicas históricas singulares e carregadas de significação para as pessoas envolvidas. Assim, a confluência dos sujeitos em mobilidade com o boxe, prática onde “é o movimento que conta” (DeeDee, em Wacquant, 2002, p.121) apresenta-se como fértil território para as discussões sobre corpo, território, mobilidade e relações raciais.

Palavras-chave

boxe, corpo, território, mobilidade, relações raciais.

Texto completo:

PDF

Visualizações do PDF:

66 views


Visualizações do Resumo:

47 views

Apontamentos

  • Não há apontamentos.