Cria de favela X meia hora de morro: conceitos fundamentais para a análise da disputa territorial no Vidigal e o do direito à memória local

Bárbara Cristina Nascimento da Rosa

Resumo

O presente trabalho busca definir os conceitos “cria de favela” e “meia hora de morro”, adotados como categorias de análise da pesquisa de mestrado “Vidigal: narrativas de Memórias”. A narratologia privilegiada é a dos moradores originários do lugar, em detrimento aos recém chegados. Trata-se de uma análise conceitual e teórica sobre as relações de convivência e disputa territorial, a partir de normas de socialização e relações de poder marcados pelo pertencimento ao lugar. A fim de aproximar tais conceitos a abordagens já realizadas em ciências sociais, essas categorias de moradores serão, respectivamente, comparadas aos “estabelecidos” e ”outsiders”, definidos por Norbert Elias ao discorrer acerca das normas de socialização e relações de poder estabelecidas numa pequena comunidade da Inglaterra.

Palavras-chave

Vidigal (RJ), Relações de poder, favela, gentrificação, narrativas e memória.

Texto completo:

Visualizar PDF

Referências

BATALLER, Maria Alba Sartagal. O estudo da gentrificação. Revista Continentes (UFRRJ), ano 1, n. 1, 2012

BESSA FREIRE, José Ribamar. Patrimônio, língua e narrativa oral. Revista Morpheus, In: DODEBEI, Vera; ABREU, Regina (org). O que é memória social, Rio de Janeirol, Rio de Janeiro: UNIRIO, 2016.

BORGES, Jorge Luis. Outras inquisições. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

DA ROSA, Barbara Cristina Nascimento. Produções textuais implicadas à memória do Vidigal e à afirmação do pertencimento. In: NICODEMOS, Alessandra (org). Saberes e Práticas Docentes na Educação de Jovens e Adultos, São Paulo: Paco Editorial, 2017.

DODEBEI, Vera. Memoração e patrimonialização em três tempos: mito, razão e interação digital: In: TARDY, Cécile; DODEBEI, Vera (orgs.). Memória e Novos Patrimônios, Ed. Open Edition, Saint Hilaire, 2015. Disponível em: http://books.openedition.org/oep/417. Acesso em 20 de setembro de 2017.

EBLIN, Farage. As favelas cariocas e sua sociabilidade: diferentes formas de apropriação do espaço urbano. .

ELIAS, Norbert; SCOTSON, John L. Os Estabelecidos e os Outsiders: sociologia das relações de poder a partir de uma pequena comunidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2000.

FARAGE, Eblin. As favelas cariocas e sua sociabilidade: diferentes formas de apropriação do espaço urbano. XIV Congresso Brasileiro de Sociologia. 28 a 31 de julho de 2009, Rio de Janeiro : IPPURUFR, 2009. Disponível in: www.sbsociologia.com.br/portal/index. Acesso em 20 de setembro de 2017.

FREIRE-MEDEIROS, Bianca. Gringo na Laje: Produção, circulação e consumo da favela turística. FGV Editora, Rio de Janeiro: 2009.

GONDAR, Jô. Cinco proposições sobre memória social. Morpheus: revista de estudos interdisciplinares., in: GONDAR, Jô; DODEBEI, Vera. O que é memória social? Rio de Janeiro: UNIRIO, v.9 , n.15, p. 11 – 28, 2016.

GUTIÉRREZ, García A. Desclassificar la identidad. In: La identidad excessiva. Madrid: Biblioteca Nueva, 2009.

__________ Cientificamente favelados: uma visão crítica do conhecimento a partir da epistemografia. TransInformação, Campinas, 18(2):103-112, maio/ago., 2006.

.

HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. Tradução Tomaz Tadeu da Silva e Guacira Lopez Louro. 9. ed. Rio de Janeiro: DP & A, 2004.

IBGE2010. Disponível em:

https://ww2.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/censo2010/default.shtm. Acesso: 20 de março de 2016.

IPP2010 - www.rio.rj.gov.br/web/ipp

POLLAK, Michael. Memória, Esquecimento e Silêncio. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, vol. 2, n. 3, 1989, p. 3-15.

SILVA, Jailson Souza (org.). Seminário: O que é favela, afinal? Observatório de Favelas do Rio de Janeiro; Rio de Janeiro: 2009.

SILVA, L. A. M. Afinal, qual é a das UPPs? 2008. Disponivel em: .

SOUSA, Mauro Wilton de. O pertencimento ao comum mediático: a identidade em tempos de transição. Significação | nº34 | 2010, Eca, USP.

TUAN, Yi-Fu. Topofilia: um estudo da percepção, atitudes e valores do meio ambiente. São Paulo: DIFEL, 1980.

VENTURA, Zuenir. Cidade Partida. São Paulo: Companhia das Letras, 1994.

Facebook

Visualizações do PDF:

67 views


Visualizações do Resumo:

162 views

Apontamentos

  • Não há apontamentos.