Elementos de análise das Relações Internacionais no pensamento de Celso Furtado: os bloqueios externos ao desenvolvimento

Paulo Victor Zaneratto Bittencourt

Resumo

O ensejo do trabalho apresentado é demonstrar como algumas configurações advindas de fora das fronteiras de um Estado contribuem para seu encaixe nas relações que se estabelecem entre centro e periferia no pensamento de Celso Furtado. Para isso, não pretendemos apresentar o autor brasileiro como um teórico ou pensador das relações internacionais; antes, nosso esforço é no sentido de captar elementos de análise das relações internacionais a partir de seu pensamento, tais como a articulação entre centro e periferia, que condenam alguns países ao subdesenvolvimento e, também nesse sentido, como algumas políticas adotadas por países do centro agem de modo a bloquear o desenvolvimento dos países nessa mesma periferia, exemplo que é captado pela explicação de Furtado sobre a ação dos Estados Unidos em relação à América Latina, o qual, ao incluir em sua concepção de segurança o desenvolvimento desta última região, fá-lo através de uma ideia própria de desenvolvimento que termina por aprofundar o subdesenvolvimento latino-americano.

Palavras-chave

Estruturalismo latino-americano; Subdesenvolvimento; América Latina; Celso Furtado; Relações Internacionais.

Texto completo:

Visualizar PDF

Referências

BERNAL-MEZA, Raúl. “Síntese da evolução do pensamento latino-americano em relações internacionais”. In: PROCÓPIO, Argermiro (org.). Relações Internacionais: os excluídos da arca de Noé. São Paulo: Editora Hucitec, 2005, pp. 209-260.

BIELSCHOWSKY, Ricardo. Pensamento econômico brasileiro: o ciclo ideológico do desenvolvimentismo. 4 ed. Rio de Janeiro: Contraponto, 2000.

CARDOSO, José Luís. “Reflexões periféricas sobre a difusão internacional do pensamento econômico”. Nova economia, vol 19, n. 2, 2009, pp. 251-265.

FURTADO, Celso. Resenha de “Trusts y carteles, sus orígenes y influencia en la economia mundial”, de Richard Lewinsohn. Revista Brasileira de Economia, vol. 3, n. 1, 1949, pp. 103-106.

____. Subdesenvolvimento e estagnação na América Latina. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1968.

____. Formação econômica da América Latina. 2 ed. Rio de Janeiro: Lia Editor, 1970.

____. A hegemonia dos Estados Unidos e o subdesenvolvimento da América Latina. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1973.

____. “Estado e empresas transnacionais na industrialização periférica. Revista de Economia Política, vol. 1, n. 1, 1981, pp. 41-49.

____. “Entre o inconformismo e reformismo”. Estudos Avançados, vol. 4, n. 8, 1990, pp. 166-187.

____. Teoria e política do desenvolvimento econômico. São Paulo: Paz e Terra, 2000a.

____. “O fator político na formação nacional”. Estudos avançados, vol. 14, n. 40, 2000b, pp. 7-12.

____. O capitalismo global. 7 ed. São Paulo: Paz e terra, 2007.

____. Desenvolvimento e subdesenvolvimento. Rio de Janeiro: Contraponto, 2009,

____. “O Subdesenvolvimento revisitado”. In: D’AGUIAR, Rosa Freire (org.). Essencial Celso Furtado. São Paulo: Penguin Classics Companhia das Letras, 2013a, pp. 251-275.

____. “Subdesenvolvimento e dependência: as conexões fundamentais”. In: D’AGUIAR, Rosa Freire (org.). Essencial Celso Furtado. São Paulo: Penguin Classics Companhia das Letras, 2013b, pp. 176-196.

____. “O novo quadro internacional”. In: D’AGUIAR, Rosa Freire (org.). Essencial Celso Furtado. São Paulo: Penguin Classics Companhia das Letras, 2013c, pp. 428-434.

JAGUARIBE, Helio. “Celso Furtado: teoria e prática do desenvolvimento”. In: JAGUARIBE, Helio. Brasil, mundo e homem na atualidade: estudos diversos. Brasília: Fundação Alexandre de Gusmão, 2008, pp. 861-74.

MALLORQUÍN, Carlos. “Celso Furtado: el hacedor del estructuralismo latinoamericano”. In: CORSI, Francisco Luiz; CAMARGO, José Marangoni (orgs.). Celso Furtado: os desafios do desenvolvimento. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2010, pp. 53-80.

PREBISCH, Raúl. “O desenvolvimento econômico da América Latina e seus principais problemas”. Revista Brasileira de Economia, vol. 3, n. 3, 1949, pp. 47-111.

RICUPERO, Bernardo. “Celso Furtado e o pensamento social brasileiro”. Estudos Avançados, vol. 19, n. 53, 2005, pp. 371-377.

RODRÍGUEZ, Octavio. “Claves para la agenda del desarollo”. Revista Problemas del Desarollo, vol 164, n. 42, 2011, pp. 5-23.

Facebook

Visualizações do PDF:

99 views


Visualizações do Resumo:

181 views

Apontamentos

  • Não há apontamentos.