População quilombola e unidade de conservação: outro olhar sobre a paisagem de um parque urbano

Marcia Cristina de Oliveira Dias

Resumo

Este artigo apresenta uma abordagem dos conflitos socioambientais a partir da interpretação da paisagem pelo olhar dos integrantes de três comunidades remanescentes de quilombos localizadas no interior do Parque Estadual da Pedra Branca. Além do registro da polaridade entre o olhar da população nativa e o olhar institucional, entrevistas com os quilombolas, participação em eventos, reuniões e festividades, este trabalho é complementado por pesquisas documental e bibliográfica. À medida que os valores ambientalistas associam as belezas naturais à ideia de paisagem, o morador é identificado como um invasor e uma ameaça à conservação desta natureza/paisagem. Nesse cenário, resgatar a história sociocultural do maciço e entender que paisagem não é natureza, mas uma construção social, é essencial para a compreensão dos vários sentidos e representações atribuídos a este território transformado em Unidade de Conservação de Proteção Integral.

Palavras-chave

unidade de conservação; população quilombola; paisagem; território; natureza.

Texto completo:

Visualizar PDF

Referências

ALMEIDA, Alfredo Wagner Berno de. Terras tradicionalmente ocupadas: processos de territorialização e movimentos sociais. In: Revista brasileira de estudos urbanos e regionais. São Paulo: Anpur, v. 6, n. 1, p. 9-32, mai. 2004.

BARRETO FILHO, H. T. Da Nação ao Planeta através da Natureza: uma abordagem antropológica das unidades de conservação de proteção integral na Amazônia brasileira. São Paulo, 2001. Tese (Doutorado em Antropologia Social) – Universidade de São Paulo.

CÁCERES, Luz Stella Rodríguez. Pai Tertuliano, Vó Astrogilda e Pingo, o Guardião:

de Memórias Familiares a Patrimônio Cultural no Quilombo de Vargem Grande no Rio

de Janeiro (RJ). Patrimônio e Memória, São Paulo: Unesp, v. 13, n. 1, p. 201-226, jan- jun 2017.

CORRÊA, A. M. O Sertão Carioca. In: Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro. Rio de Janeiro, 1933. Reimpressão: Departamento de Imprensa Oficial. Secretaria Municipal Adm., 1936, 478 p.

DIEGUES, Antonio Carlos. O mito moderno da natureza intocada. São Paulo: Usp. 2001, 161 p.

FERNANDEZ, Annelise. Do sertão carioca ao Parque Estadual da Pedra Branca: a construção social de uma unidade de conservação à luz das políticas ambientais fluminenses e da evolução urbana do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 2009. Tese (Doutorado em Sociologia) – Universidade Federal do Rio de Janeiro.

LARRÈRE, Catherine e LARRÈRE, Raphael. Do bom uso da natureza: para uma filosofia do meio ambiente. Lisboa: Instituto Piaget, 1997. 246 p.

OLIVEIRA, Rogério Ribeiro de. Os cenários da paisagem. In: As marcas do homem na floresta: história ambiental de um trecho urbano de mata atlântica. Rio de Janeiro: Ed. PUC-Rio, p. 23-33, 2010.

PORTO, Helânia Thomazine. A importância de Griôs na socialização de saberes e de fazeres da cultura. Processo com, São Leopoldo, jun. 2016. Disponível em: . Acesso em: 12 out. 2017.

RAFFESTIN, Claude. E se a representação fosse apenas a invenção da moeda fiduciária do real?. In: Revista Formação. São Paulo: Unesp, v. 2, n. 14, p. 08-13, 2007.

SANTILLI, Juliana. Socioambientalismo e novos direitos: proteção jurídica à diversidade biológica e cultural. São Paulo: Editora Peirópolis, 2005. 303 p.

SCHAMA, Simon. Paisagem e memória. São Paulo: Companhia das Letras, 1996, 652 p.

Facebook

Visualizações do PDF:

127 views


Visualizações do Resumo:

114 views

Apontamentos

  • Não há apontamentos.