“Juventude violenta” como categoria: sobre os efeitos da articulação entre pobreza, juventude e violência

Luana Dias Motta

Resumo

O objeto deste texto é a “juventude” enquanto categoria. São apresentados processos que confluíram para emergência da juventude como um problema, uma questão social e, consequentemente, como uma categoria através da qual se tem produzido formas de intervenção estatal junto a territórios e populações pobres, sobretudo quando se trata do tema da violência que emanaria das periferias e favelas dos centros urbanos. Para demonstrar essa lógica, são analisados documentos de Planos Nacionais de Segurança Pública e de dois Programas estudos, o Centro de Referências da Juventude e o Caminho Melhor Jovem, ambos do Governo do Estado do Rio de Janeiro. Argumento que nas representações dominantes, os jovens de periferias são percebidos, simultaneamente, como as principais vítimas e agentes da violência. Nesse sentido, a mobilização da categoria “juventude” tem funcionado como um elemento de reconfiguração e reprodução da lógica, já antiga, que relaciona pobreza e violência linearmente, exatamente por ser constituída como público alvo privilegiado tanto das políticas de combate quanto de prevenção à violência.

Palavras-chave

Juventude; Violência; Pobreza; Gestão estatal; Periferias

Texto completo:

Visualizar PDF

Referências

ABRAMOVAY, M.; CASTRO, M.G. Juventude no Brasil: vulnerabilidades negativas e positivas, desafiando enfoques de políticas públicas. Juventude Cultura e Políticas Públicas: Intervenções apresentadas no seminário teórico-político do Centro de Estudos e Memória da Juventude, São Paulo, v. 1, p. 35-66, 2005.

BANENS, M. Foucault sur l’histoire de l’homosexualité. La Revue, 2009.

BRASIL. Plano nacional de Segurança Pública. Brasília, 2000.

BRASIL. Lei 11.707/2008 de 19 de junho de 2008 que altera a Lei 11530 que estabelece o Plano Nacional de Segurança Pública com Cidadania. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/Lei/L11707.htm . Acesso em: 20/09/2016.

BRAZZABENI, M.; PUSSETTI, C. Sofrimento Social: idiomas da exclusão e políticas do assistencialismo. Etnográfica, Lisboa, v. 15, n. 3, 2011.

BRAZZABENI, M.; PUSSETTI, C. Sofrimento Social: idiomas da exclusão e políticas do assistencialismo. Etnográfica, Lisboa, v. 15, n. 3, 2011.

CASSAB, C. Contribuição à construção das categorias jovem e juventude: uma introdução. Locus. Juiz de Fora, v. 17, 2012.

CASTRO, J. A invenção da juventude violenta: análise da elaboração de uma política pública. Rio de Janeiro, 2013.

DAYRELL, J. Juventude, cultura e identidade. In: V Reunião de Antropologia do Mercosul, 2003, Florianópolis. Antropologia em perspectiva, 2003.

DELEUZE, Gilles. ¿Que és un dispositivo? In: Michel Foucault, filósofo. Barcelona: Gedisa, 1990, pp. 155-161. Tradução de Wanderson Flor do Nascimento.

DESAGE, F.; SALLÉ, N.; DUPREZ, D. Le contrôle des jeunes déviants. Les Presses de la Université de Montréal. Montréal. 2015.

FELTRAN, G. Margens da Política, Fronteiras da Violência: uma ação coletiva nas periferias de São Paulo. Lua Nova, v. 79, p. 201-233, 2010.

______. Fronteiras de Tensão. São Paulo: Editora da UNESP; CEM; CEBRAP, 2011.

______. Crime e Periferia. In: RATON, J.; LIMA, R.; AZEVEDO, R. Crime, Polícia e Justiça no Brasil. Editora Contexto/ Fórum Brasileiro de Segurança Pública, 2014.

FOUCAULT, M. Governamentalidade. In: FOUCALUT, M. Microfísica do Poder. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1979.

FOUCAULT, M. História da Sexualidade I: a vontade de saber. 18. ed. Rio de Janeiro: Graal, 1988.

FOUCAULT, M. Sobre a História da sexualidade. In: _____. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 2000.

FOUCAULT, M. Nascimento da Biopolítica: curso no Collège de France (1978-1979). São Paulo: Martins Fontes, 2008.

INSTITUTO CIDADANIA. Projeto Segurança Pública para o Brasil. Brasilia, 2002.

IULIANELLI, J.Juventude: construindo processos – o protagonismo juvenil. In. FRAGA, P. & IULIANELLI, J.(Orgs.). Jovens em tempo real. Rio de Janeiro, 2003.

MACHADO DA SILVA, L. Introdução. In: MACHADO, L. Vida Sob Cerco: violência e rotina nas favelas do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2008.

______. Violência Urbana, Segurança Pública e Favelas - o caso do Rio de Janeiro atual. Caderno CRH - UFBA (impresso), v. 23, p. 283-300, 2010.

______. Polícia e Violência Urbana em uma Cidade Brasileira. Etnográfica (Lisboa), v. 15, p. 67-82, 2011.

MARGULIS, M. ; URRESTI, M. La juventud es más que una palabra. In: Margulis, M. (org.). La juventud es más que una palabra. Buenos Aires, Biblos,1996.

MISSE, M. Crime, Sujeito e Sujeição Criminal - aspectos de uma contribuição analítica sobre a categoria bandido. Lua Nova (Impresso), v. 79, p. 15-38, 2010.

NOVAES, R. C. R. . Juventude, juventudes. Notas sobre a invenção social de um singular sujeito de direitos. Revista de Ciencias Sociales (Montevideo), v. XXII, p. 10-20, 2009.

PAPPÁMIKAIL, L. Juventude(s), autonomia e Sociologia. Sociologia: Revista do Departamento de Sociologia da FLUP, Vol. XX, 2010.

PERALVA, A. O jovem como modelo cultural. Revista Brasileira de Educação. N.5, 1997.

PEREIRA, Alexandre Barbosa. Muitas Palavras: a discussão recente sobre juventude nas Ciências Sociais. Ponto.Urbe (USP), v. 1, p. 1-35, 2007.

ROCHA, L. M. O Repertório dos Projetos Sociais: política, mercado e controle social nas favelas. In: Patrícia Birman et al (Org.). Dispositivos Urbanos e Trama dos Viventes: ordens e resistências. Rio de Janeiro: FGV/Faperj, 2014, v. 1, p. 291-312.

SPOSITO, M. P.. Os jovens no Brasil, desigualdades multiplicadas e novas demandas políticas. 1. ed. São Paulo: Ação Educativa, 2003. v. 1. 38p .

SPOSITO, M. P.; CARRANO P.C. Juventude e políticas públicas no Brasil. Revista Brasileira de Educação, São Paulo, v. 24, p. 16-39, 2003

SPOSITO, M. P.; CORROCHANO, M. C. A face oculta da transferência de renda para jovens no Brasil. Tempo Social. Revista de Sociologia da USP, São Paulo, v. 17, n.2, p. 141-172, 2005.

Facebook

Visualizações do PDF:

56 views


Visualizações do Resumo:

118 views

Apontamentos

  • Não há apontamentos.