A propósito do futuro das instituições de ensino superior

António Bento Caleiro

Resumo

Qualquer instituição de ensino superior (IES) está sujeita a um conjunto de forças internas e externas, endógenas e exógenas, controláveis e não controláveis, cuja conjugação, em termos de cenários, poderá ditar o seu futuro. Sendo certo que o futuro da instituição depende da conjugação de elementos de natureza externa, exógena e não controlável não deixa de ser também decisiva a resposta endógena, por parte dos elementos que, sendo internos, serão, aparentemente, melhor controláveis. Na verdade, enquanto instituições, os estabelecimentos de ensino superior são compostos por agentes/indivíduos possuindo interesses privados que, em determinadas circunstâncias, se sobrepõem aos interesses colectivos, devendo estas circunstâncias ser, o mais possível, evitadas e, muito mais, não devendo ser incentivadas. A criação e sustentabilidade de um comportamento cooperativo por parte dos diversos indivíduos que compõem a instituição é, assim, uma condição decisiva para o seu futuro. O principal objetivo do trabalho é, assim, o de mostrar a importância do comportamento cooperativo para o futuro das IES, para tal utilizando uma metodologia de simulação baseada em agentes. Em termos específicos, a partir da construção de cenários, a sua simulação permite, em primeiro lugar, 'lançar luz' sobre as consequências futuras para as IES acaso tal comportamento não se verifique e, em segundo lugar, chamar a atenção para os fatores que se revelam decisivos na adoção, ou não, de um comportamento cooperativo por parte das forças internas que atuam nas IES.

Palavras-chave

Instituições de Ensino Superior; Simulação Baseada em Agentes; Teoria dos Jogos.

Texto completo:

Visualizar PDF

Referências

AIELLO, J.R.; KOLB, K.J. Electronic performance monitoring and social context: Impact on productivity and stress. Journal of Applied Psychology. V.80, n. 3, p.339-353, 1995. Acedido em setembro, 1, 2017, em http://www.dropbox.com/s/hazalhxd64wum9k/1995%20Aiello%20Kolb.pdf.

ATKINSON, S.; BUTCHER, D. Trust in managerial relationships. Journal of Managerial Psychology. V.18, n. 4, p.282-304, 2003.

BRANDEN, N. Self-esteem at work: How confident people make powerful companies. San Francisco: Jossey-Bass Publishers, 1998.

COLLIGAN, T.W.; HIGGINS, E.M. Workplace stress: Etiology and consequences. Journal of Workplace Behavioral Health. V.21, n. 2, p.89-97, 2006.

COX, T.H.; LOBEL, S.A.; MCLEOD, P.L. Effects of Ethnic Group Cultural Differences on Cooperative and Competitive Behavior On a Group Task. Academy of Management Journal. V.34, n. 4, December, p.827-847, 1991.

DEFRANK, R.S.; IVANCEVICH, J.M. Stress on the Job: An Executive Update. The Academy of Management Executive. V.12, n. 3, August, p.55-66, 1998.

DOYLE, K.; KLEINER, B.H. Managing for excellence in the public sector. Management Research News. V. 17, p.25-32, 1993.

GILBERT, J.A.; CARR-RUFFINO, N.; IVANCEVICH, J.M.; KONOPASKE, R. Toxic versus cooperative behaviors at work: the role of organizational culture and leadership in creating community-centered organizations. International Journal of Leadership Studies. V.7, n. 1, p. 29-47, 2012. Acedido em junho 12, 2017, em http://www.regent.edu/acad/global/publications/ijls/new/vol7iss1/IJLS_Vol7Iss1_Gilbert_pp29-47.pdf

GOLDMAN, A. Company on the couch: Unveiling toxic behavior in dysfunctional organizations. Journal of Management Inquiry. V.1, p.226-238, 2008.

JONES, S. Collaborative management development pays off. Management Development Review. V.9, n. 7, p.27-31, 1996.

VATN, A. Cooperative behavior and institutions. The Journal of Socio-Economics. V.38, n. 1, p. 188-196, 2009.

VEGA, G.; COMER, D.R. Sticks and stones may break your bones, but words can break your spirit: Bullying in the workplace. Journal of Business Ethics. V.58, p.101-109, 2005.

WONG, R.Y.; HONG, Y. Dynamic Influences of Culture on Cooperation in the Prisoner’s Dilemma. Psychological Science. V.16, n. 6, p. 429-434, 2005.

Facebook

Visualizações do PDF:

35 views


Visualizações do Resumo:

53 views

Apontamentos

  • Não há apontamentos.